Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

29/08/2014

Ibovespa marca sexta alta seguida

O Ibovespa ensaiou uma correção técnica ontem, mas achou forças extras para cravar sua sexta alta consecutiva, ainda que modesta. Desde o período de 17 a 25 de março deste ano – quando o índice avançou por sete pregões consecutivos – a bolsa brasileira não registrava sequência positiva tão longa.

Curiosamente, a sequência de março ocorreu quando saíram as primeiras pesquisas eleitorais que apontaram avanço dos candidatos de oposição, abrindo espaço para as apostas de que a presidente Dilma Rousseff poderia não ser reeleita. O ciclo de agosto ocorre justamente após uma reviravolta na corrida presidencial com a morte de Eduardo Campos (PSB).

A pesquisa Datafolha divulgada na segunda-feira – e também as chamadas pesquisas “clones”, feitas por encomenda para grandes bancos – mostram que Marina Silva poderá enfrentar Dilma Rousseff no segundo turno, com chances virtuais de vitória.

A esperada correção do mercado não veio ontem, embora Petrobras tenha registrado leve baixa. Bancos e elétricas impediram que o Ibovespa consolidasse o sinal negativo. No exterior, as bolsas operaram em alta em Wall Street, animadas por indicadores positivos da economia americana, enquanto os investidores aguardam as declarações da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Janet Yellen, no encontro de Jackson Hole.

O Ibovespa fechou em alta de 0,19%, aos 58.992 pontos, no maior nível desde 5 de fevereiro de 2013. Nos últimos seis pregões, o ganho chegou a 6,1%. Dessa forma, o índice já acumula alta de 14,5% em 2013.

Entre as principais ações do índice, Petrobras PN (-0,28%, a R$ 21,30), Ambev ON (-0,42%, a R$ 16,31) e Vale PNA (-0,38%, a R$ 28,18) terminaram o dia em terreno negativo, enquanto Itaú PN (0,58%, a R$ 37,91) e Bradesco PN (1,32%, a R$ 38,20) renovaram suas máximas históricas.

Um dia depois de obter a licença ambiental prévia para expandir a capacidade de produção em Carajás, as ações da Vale foram afetadas pelas notícias da China, afirmou o estrategista da SLW Corretora, Pedro Galdi. A atividade (PMI) industrial, medida pelo HSBC, ficou em 50,3 na prévia de agosto, ante 51,7 na leitura final de julho. Foi a leitura prévia mais baixa em três meses.

No topo do índice ficaram Natura ON (3,84%), Marfrig ON (3,77%) e Lojas Renner ON (3,54%). Os papéis da Natura estão em alta desde terça-feira, quando anunciou a substituição de Alessandro Carlucci por Roberto Lima na presidência da fabricante de cosméticos.

A lista de altas trouxe ainda as elétricas Copel PNB (2,47%), Eletrobras PNB (2,29%), Eletropaulo PN (2,28%), Cesp PNB (2,09%) e Eletrobras ON (1,83%). Segundo operadores, o setor vem tirando o atraso em relação aos demais papéis do índice, que subiram bastante nos últimos dias. Analistas comentaram também que há expectativa de divulgação de reajustes tarifários expressivos para as elétricas. Esta semana, a Aneel aprovou aumento de 37,78% nas tarifas da Elektro, maior índice aprovado pela agência neste ano.

MMX ON (-3,09%) voltou a ser destaque negativo. Um dia depois de a mineradora de Eike Batista anunciar quer vai rever seu plano de negócios, investidores ainda estão preocupados com a possibilidade de a empresa entrar em recuperação judicial.

Via: Jornal Valor

Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae