Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

05/06/2017

Volume das exportações de soja caminha para recorde, mas preço ‘segura’ a receita

Por Fernando Lopes | De São Paulo

Colheita recorde de soja no país na safra 2016/17 garantirá um forte aumento do volume das exportações, mas preço mais baixo tira rentabilidade das vendas

Ainda que caminhem para alcançar um novo volume recorde neste ano, as exportações brasileiras de soja continuam a ser negociadas por preços abaixo do previsto pelas grandes tradings, o que limitará o crescimento da receita dos embarques. Como a rentabilidade dessas vendas é fruto de uma equação que também inclui o câmbio, nos bastidores até a crise política que chacoalha o país passou a ser encarada como um fator menos negativo, pelo poder que tem, já demonstrado, de gerar desvalorizações do real em relação ao dólar.

Segundo levantamento da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) com base nos volumes que efetivamente partiram dos portos do país rumo aos clientes no exterior – sobretudo na China -, embarques do grão somaram 9,4 milhões de toneladas em maio, 8,6% menos que em abril mas total ainda vultoso. No primeiros cinco meses do ano, foram 37,1 milhões de ton eladas, 15% mais que em igual período de 2016 e volume 46% superior ao registrado de janeiro a maio de 2015 (ano em que as exportações atingiram seu maior volume até agora), a alta chega a 46%, de acordo com a entidade.

Dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic) na quinta-feira, baseados em cargas enviadas já com documentação completa e revisada e aptas a entrar nas estatísticas oficiais, confirmam que o ritmo das vendas é forte. Conforme a Secex, os embarques alcançaram 11 milhões de toneladas em maio, 5,8% mais que em abril. Para a Anec, o volume total alcançará de 61 milhões a 62 milhões de toneladas em 2017, intervalo no qual se enquadra a estimativa de 61,7 milhões confirmada na sexta-feira pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa grandes tradings que atuam no país, inclusive multinacionais.

No cenário traçado pela Abiove, esse volume recorde, 19,6% superior ao de 2016 e 13,6% maior que o de 2015, quando foi registrada a melhor marca até agora (54,3 milhões de toneladas), renderá US$ 23,4 bilhões, um aumento de 21,2% sobre o valor do ano passado. Mas essa conta leva em consideração um preço médio de US$ 380 por tonelada, ante a média de US$ 375 em 2016, e também em maio, segundo a Secex, a tonelada embarcada pelo país saiu por US$ 370,8, abaixo dos US$ 378,5 de abril.

No caso do farelo de soja, os resultados poderão surpreender positivamente. A Abiove estima que o volume das exportações do derivado alcançará o recorde de 15,5 milhões de toneladas em 2017, 7,6% mais que em 2016, e que o valor das vendas cairá 1,9%, para US$ 5,1 bilhões, em função de uma retração de 8,3% do preço médio, para US$ 330 a tonelada.

Ocorre que, segundo a Secex, essa média foi de US$ 348,7. Para o óleo de soja, a Abiove prevê embarques de 1,3 milhão de tonelada, 3,7% mais que no ano passado, com uma receita equivalente de US$ 975 milhões, 8,6% maior, por conta de um preço médio 4,7% mais elevado (US$ 750 a tonelada). Em maio, de acordo com a Secex, a média foi de US$ 730,6.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae