Carne-bovina-ganha-competitividade-em-relação-a-carne-de-frango-em-maio

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

alphaville-1

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

negociação-distributiva

CORTE DE TAXA DE ADMINISTRAÇÃO OPÕE CSHG A EX-EXECUTIVO

Por Adriana Cotias | De São Paulo Freitas, da Hedge: convocação de AGE para eleger comitê é medida “protelatória” Uma discussão sobre a redução da taxa de administração do fundo […]

Leonidas_Herndl-Ibovesp0001-Marcus_Herndl_Filho

IBOVESPA RESISTE À REALIZAÇÃO DE LUCROS E SOBE PARA 74.788 PONTOS

Por Chrystiane Silva e Juliana Machado | De São Paulo As perspectivas positivas com a retomada do crescimento econômico e a queda dos juros faz com que a bolsa de […]

size_960_16_9_gpa2

ABILIO DINIZ INICIA PROCESSO CONTRA GPA POR ALUGUÉIS

Por Paula Selmi | São Paulo O empresário Abilio Diniz decidiu levar à câmara de arbitragem a discussão com seu ex-sócio Casino, controlador do Grupo Pão de Açúcar (GPA), a […]

SerEducacional2014-03-09 às 11.38.42

GRUPO SER NEGOCIA AQUISIÇÃO E FARÁ AUMENTO DE CAPITAL

Por Beth Koike | De São Paulo A Ser Educacional informou ontem que está negociando a aquisição do controle de uma instituição de ensino, cujo nome não foi revelado. A […]

jbs

JBS VENDE IRLANDESA MOY PARK E ALONGA DÍVIDA

Por Vanessa Adachi, Fernando Lopes, Fernanda Pressinott, Camila Souza Ramos e Rodrigo Rocha | De São Paulo Lovette, CEO da Pilgrim’s: aquisição posicionará a companhia “como player global” Não é […]

Grãos

SISTEMA AJUDARÁ A NORTEAR COMPRA DE GRÃOS

Por Bettina Barros | De São Paulo Indústria e organizações ambientais apresentarão hoje, em São Paulo, a “Agroideal”, uma nova plataforma para a cadeia da soja. Mas, diferentemente de outras […]

café-1

MERCADO VOLTA AS ATENÇÕES PARA A PRÓXIMA FLORADA DO CAFÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Após uma florada antecipada da safra 2018/19 em regiões de café do Sudeste brasileiro, induzida por chuvas em agosto, produtores e […]

3-31.08

Tributação 300% maior faz empreendedor individual resistir a virar microempresa

Por Thais Carrança | De São Paulo Por R$ 182, o administrador de empresas Bruno Di Carlo Capanelli se viu diante de um dilema. Microempreendedor individual (MEI) desde 2015, o […]

29/06/2017

Varejistas criticam estratégia de shoppings

shopping

Por Adriana Mattos | De São Paulo

Maia, da Chilli Beans: “Que Deus ilumine a cabeça desses donos de shoppings, ou teremos que achar outro lugar para crescer”

Varejistas questionaram ontem a estratégia e o modelo de operação dos shopping centers no país, durante a BR Week, evento do setor de varejo, com críticas à expansão desordenada dos empreendimentos e às dificuldades de negociação com os operadores.

Para o presidente da Chilli Beans, Caito Maia, há pouca flexibilidade nas negociações com lojistas e as empresas só reagem quando o varejista ameaça fechar as lojas e abrir pontos em rua. “Criamos um modelo de loja de rua novo, numa tentativa de expandir mais para esses locais […]. Acontece que hoje, só se eu falo que vou fechar loja em shopping é que eles não me deixam fechar e querem conversar. O que digo é que Deus ilumine a cabeça desses donos de shoppings, ou nós vamos ter que achar outro lugar para crescer”, afirmou ele.

Questionado sobre o assunto no evento, o empresário Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, disse que houve um crescimento “muito acelerado e desorganizado” de shoppings no país nos últimos anos. “Houve um boom de shoppings, que foram ficando mal distribuídos, com uma guerra de egos entre eles, abrindo muitos [centros comerciais], especialmente nesse eixo Rio de Janeiro-São Paulo”, disse.

“Um abria um shopping o outro [rival] ia lá e abria também, e isso foi destruindo valor de forma brutal [no setor]”, afirmou.

“O que tentamos fazer é avançar numa análise muito minuciosa de abertura de pontos e ter uma relação muito franca com os ‘shoppeiros’, compartilhando informações, inclusive de custo de ocupação, para ver se avançamos nessa relação”, disse Rocha.

A piora do ambiente econômico, com retração no consumo no país, obrigou shoppings e lojistas a renegociarem condições de contrato, especialmente após 2016, com descontos em aluguel e despesas sendo acordado entre as partes por período médio de seis meses. A alta da inadimplência de lojistas levou os grupos de shoppings a buscar esse caminho, mas alguns empreendimentos começam a acenar com hipótese de cortar esses descontos ainda neste ano.
Pesquisa apresentada ontem na BR Week, em São Paulo, elaborada pela PwC, mostrou a pressão maior sobre o formato de loja física no país, foco central da operação dos shoppings.

Houve uma perda da força da loja física neste período de recessão econômica, em relação à venda por smartphones. Varejistas têm sido unânimes em afirmar que a função das lojas físicas têm passado por uma revisão com o avanço das mídias digitais no mundo, e o aprofundamento das crises acaba acelerando esse processo de mudanças.

Segundo a pesquisa da PwC, os canais de venda como lojas tradicionais, tablets e computadores têm sido menos usados em compras, de forma geral, de acordo com um índice de frequência de compra medido anualmente pela PwC. A exceção foi o smartphone. Foram ouvidas 1.016 pessoas entre agosto e setembro, e a frequência de uso dos celulares em compras subiu de 30% para 31% entre 2015 e 2016. Na loja física, caiu de 58% para 55% o número de pessoas que informa comprar mensalmente no canal. A pesquisa foi apresentada pelo sócio da PwC Brasil, Hércules Maimone.

De acordo com o levantamento, mais da metade dos brasileiros (53%) pesquisa produtos na internet antes da compra (média mundial é 44%) e 45% dos consumidores no país comparam os preços em sites (versus taxa no mundo de 38%). Além disso, 47% já compraram alguma vez no site da Amazon no Brasil – a operação local vende basicamente livros, enquanto no exterior há uma ampla opção de itens.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae