Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

18/07/2017

UTC pede recuperação judicial com dívida de R$ 3,4 bilhões

Por Victória Mantoan e Carolina Mandl | De São Paulo

Dono da UTC, Ricardo Pessoa teve de se afastar do dia a dia da construtora depois que empresa fechou acordo de leniência

Mais um grupo envolvido no escândalo de corrupção trazido à tona pela Operação Lava-Jato teve de recorrer à Justiça para se proteger de execuções de dívidas. A UTC Participações protocolou ontem, junto com suas subsidiárias, pedido de recuperação judicial na 2ª Vara de Falências e Recuperação Judicial de São Paulo. A dívida a ser equacionada é de R$ 3,41 bilhões e engloba 14 empresas do grupo.

Conforme uma fonte próxima ao processo, a medida tornou-se imperativa depois que a Petrobras reteve pagamentos de serviços prestados em Macaé (RJ) e afirmou que os contratos não contariam com aditivos.

Também pesou na conta da UTC a multa de R$ 574 milhões decorrente do acordo de leniência fechado com o Ministério da Transparência e com a Controladoria Geral da União (CGU) na semana passada.

No pedido apresentado à Justiça, a UTC diz que foram demitidos mais de 4 mil funcionários e que os R$ 20,89 milhões retidos pela petroleira seriam utilizados para pagamento de trabalhadores no município. Só a rescisão dos contratos feita pela Petrobras criou um passivo trabalhista de cerca de R$ 120 milhões, segundo uma pessoa próxima à companhia. “As requeridas, após o colapso da sua operação em Macaé (RJ), por culpa única e exclusiva da Petrobras, não tiveram outra saída senão o presente pedido de recuperação judicial, em razão, pela primeira vez em seus mais de 40 anos de existência, do não pagamento das suas obrigações trabalhistas e com os seus demais parceiros comerciais”, afirma a UTC no documento.

A UTC incluiu na petição um pedido de liminar para que a Petrobras deposite o valor retido em juízo e que seja impedida de poder realizar qualquer retenção no futuro por conta de créditos que “eventualmente” detenha contra a empresa. Além da falta de pagamento e da perspectiva de não ter aditivos assinados, a companhia fala no pedido sobre o impacto de ter sido incluída na lista de bloqueio da Petrobras, que é sua principal cliente.

Outra queda de braço que a UTC vinha travando mais recentemente era com os bancos, que são seus principais credores, com R$ 1,7 bilhão a receber. Pouco mais de um ano atrás, o grupo renegociou R$ 1,4 bilhão em dívidas financeiras principalmente da UTC Participações, UTC Engenharia e Constran, trocadas por debêntures, com carência de quatro anos de pagamentos de juros e de principal, com taxa de CDI + 2% ao ano. Alguns ativos subsidiários de infraestrutura e até recebíveis da Petrobras foram dados em garantias nessa reestruturação.

Essas condições, na avaliação de uma pessoa que acompanha a reestruturação da UTC, não permitiam que sobrasse recursos no caixa da companhia. O dinheiro é necessário para a realização dos contratos de obras que a UTC detém. Individualmente, o maior credor bancário é o Bradesco, com cerca de R$ 500 milhões a receber da construtora.

Em fase de elaboração, o plano de recuperação judicial da UTC deve propor aos bancos um modelo novo de pagamento. O Valor apurou que a UTC vai destinar um percentual do lucro aos seus credores financeiros, além de destinar recursos da venda de ativos.

Medida tornou-se imperativa depois que a Petrobras decidiu reter pagamentos e não renovar contratos

Entre os bens que a UTC pode colocar à venda estão a participação de 45% no veículo privado que controla o aeroporto de Viracopos (Campinas-SP), um porto em Niterói e a própria base para as obras da Petrobras em Macaé. Se não conseguir manter o projeto em carteira, a UTC avalia que a base já montada deve ser um ativo interessante ao novo vencedor do contrato. O objetivo da UTC é manter o vigor de suas controladas UTC Engenheria e Constran. O restante pode ser alienado, inclusive algumas disputas judiciais.

No pedido, a empresa destaca que alterações no projeto básico e diversas extensões do prazo de execução da obra do aeroporto levaram o consórcio a um desequilíbrio econômico-financeiro superior a R$ 700 milhões.

Além dos bancos e da multa do acordo de leniência, a UTC também tem em seu passivo fornecedores, multas com a Petrobras e avais.

O pedido de recuperação judicial feito ontem esclarece que o valor a ser restituído pelo acordo de leniência, ainda que integre o montante em recuperação judicial, deverá ser pago em cumprimento com as condições já acordadas com a administração federal. Ou seja, não vai sofrer reescalonamento. A UTC ainda afirma que já foram dadas garantias do pagamento das primeiras parcelas.

Trata-se da primeira recuperação judicial de empresa com valores a serem pagos em acordo de leniência e que tem de enfrentar o dilema de como tratar esse tipo de compromisso no processo. A UTC ainda foi o primeiro grupo envolvido na Lava-Jato a fechar acordo com a CGU. Odebrecht, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez fecharam seus acordos com o Ministério Público Federal.

O processo de recuperação judicial será tocado pela Starboard, consultoria e gestora especializada em reestruturação de empresas, e pelo escritório de advocacia Leite, Tosto e Barros. Se deferido pela Justiça, a empresa terá 60 dias para apresentar um plano a ser votado pelos credores.

Apesar da contratação de uma empresa de reestruturação, o dia a dia da UTC continuará sendo tocado por seus atuais diretores, segundo o Valor apurou. Pelo acordo de leniência, Ricardo Pessoa, dono da UTC e preso em 2014 no âmbito da Lava-Jato, se comprometeu a se afastar do dia a dia da empreiteira.

Procurada, a Petrobras disse não ter sido notificada da recuperação judicial do grupo UTC e, quando o for, “avaliará o conteúdo do pedido e tomará todas as medidas cabíveis na defesa dos seus interesses”. (Colaborou Rafael Rosas, do Rio)

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae