Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

23/05/2017

Risco político volta a pressionar bancos em momento de retomada

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo

O ressurgimento da crise política que pode derrubar o presidente Michel Temer recolocou na mesa uma série de riscos envolvendo os bancos brasileiros. Embora analistas avaliem ainda ser cedo para chegar a qualquer conclusão, são dois os principais pontos de preocupação: o impacto na inadimplência e sobre o processo de retomada do crédito com uma eventual paralisação da economia, justo no momento em que os primeiros sinais de recuperação começavam a surgir.

As ações dos bancos estão entre as que mais sentiram as consequências da turbulência vinda de Brasília. O índice da bolsa que reúne as ações das instituições financeiras acumula queda de 11,8% desde a revelação da delação do empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, que envolve Temer. No mesmo período, o Ibovespa registra baixa de 8,7%.

As ações dos bancos costumam ser as primeiras a sofrer os impactos de processos de aversão a risco como o atual, em razão da alta liquidez. “O mercado vende primeiro e faz perguntas depois”, escrevem os analistas do Deutsche Bank, em relatório a clientes. Embora tenha pouca relação com os fundamentos, a queda na bolsa também traduz o receio dos investidores com o setor caso o momento de incerteza se prolongue, segundo outro analista.

Para a agência de risco Fitch, a crise política adiciona pressão sobre o ambiente operacional dos bancos e aumenta o risco para a qualidade dos ativos no médio e longo prazos. A agência não espera, contudo, perdas imediatas para as instituições financeiras em consequência do episódio.

A volta da incerteza política acontece justamente quando os balanços dos bancos começavam a apontar que o pior momento da economia havia ficado para trás. No primeiro trimestre, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander tiveram lucro de R$ 15,6 bilhões, alta de 27,8% em relação ao mesmo período de 2016.

A perspectiva do fim do ciclo de alta da inadimplência – grande foco da atenção do mercado durante o auge da recessão – derrubou em 23,8% os gastos com provisão contra calotes, que somaram R$ 18,3 bilhões de janeiro a março deste ano.

A crise ainda não chegou a mudar o dia a dia dos bancos, segundo três executivos ouvidos pelo Valor. “Nenhuma operação de crédito no varejo deixou de ser aprovada nos últimos dias por essa razão”, afirma um interlocutor. O impacto mais rápido acontece no financiamento a empresas, principalmente as de grande porte.

No mercado de capitais, os sinais até o momento são considerados dúbios. Enquanto companhias como a estatal mineira de energia Cemig anunciaram a suspensão dos planos de captação com a emissão de títulos de dívida no exterior (bônus), a empresa de shoppings BR Malls conseguiu fechar ontem uma emissão de ações de R$ 1,7 bilhão.

Os empréstimos bilaterais também continuam a ser fechados, segundo o executivo de um grande banco. “Nada mudou nos nossos modelos de governança após os episódios recentes”, diz. A análise das operações, porém, passou a ser feita à luz do novo cenário, que contempla a possibilidade de que a economia volte a patinar depois de ensaiar os primeiros passos de melhora.

O ritmo do crédito já vinha abaixo do esperado mesmo antes das delações da JBS. Antes do episódio, a preocupação dos analistas era que a demora na retomada dos financiamentos afetasse os resultados dos bancos a partir do ano que vem. Para Ricardo Gelbaum, presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), que representa as instituições de médio porte, o cenário não muda com a piora do quadro político. “Os bancos estão extremamente líquidos e bem capitalizados.”

Em relatório, os analistas do UBS avaliam que o processo de recuperação do crédito pode ser prejudicado se a confiança de empresas e consumidores for afetada. Executivos de bancos manifestaram preocupação semelhante. “Se as decisões de investimento forem adiadas e as pessoas ficarem com receio de consumir, voltaremos a um compasso de espera que não é bom para ninguém”, afirma.

Um dos focos de preocupação no curto prazo é a situação do Grupo J&F, holding que controla a JBS. As ações do frigorífico registraram queda de 31,3% apenas ontem na B3 (antiga BM&FBovespa). Os títulos de dívida negociados no exterior também sofreram perdas relevantes. A agência de risco Moody’s rebaixou ontem a classificação da JBS de “Ba2” para “Ba3” – três níveis abaixo do patamar mínimo de grau de investimento.

O frigorífico contava com uma dívida líquida de R$ 47,8 bilhões em março deste ano. A exposição dos bancos está concentrada principalmente em linhas de crédito à exportação, segundo uma fonte a par do assunto. Entre os grandes bancos, o BB era quem tinha a maior exposição ao setor de alimentos, equivalente a 2,3% dos empréstimos, segundo o Deutsche Bank. (Colaborou Silvia Rosa)

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae