Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

03/07/2017

Risco a bancos freia acesso a recurso do BNDES

Por Silvia Rosa e Talita Moreira | De São Paulo

Após definir as micro, pequenas e médias empresas como prioridade, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem anunciado uma série de medidas para facilitar o acesso dessas companhias a recursos da instituição. No entanto, ainda persistem entraves. O crédito a esse segmento é hoje muito dependente do apetite dos bancos que repassam os recursos do BNDES. São eles que tomam o risco das operações e, em meio à crise, se retraíram. O caso mais emblemático é o do Cartão BNDES, cujos desembolsos recuaram 59% no ano, até maio, somando R$ 1,152 bilhão.

Numa tentativa de amenizar a situação, o BNDES abriu novas linhas, criou um canal para que pequenos empresários tenham mais informações sobre os produtos disponíveis e estuda formas de usar as “fintechs”, empresas de tecnologia financeira, para melhorar a distribuição dos recursos.

“Estamos trabalhando para melhorar o acesso ao crédito e reduzir prazos”, afirma Ricardo Ramos, diretor de operações indiretas e de comércio exterior e fundos garantidores do banco.

Outra iniciativa é a automatização da aprovação de capital de giro para pequenas e médias empresas, que começará em julho com operações para o setor agrícola e será estendida aos demais segmentos até o começo do próximo ano. O agente repassador não será dispensado, diz Ramos, mas o processo ficará mais ágil. O prazo de liberação poderá ser reduzido de um mês para um dia.

As instituições ainda discutem qual o custo dessa modalidade de financiamento, se será atrelado à Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) ou a taxa de mercado. Uma possibilidade é que essas operações sejam cobertas pelo Fundo Garantidor de Investimento (FGI), do próprio BNDES, voltado para empresas que encontram dificuldades em atender às garantias exigidas pelos bancos.

Em outra frente, o Banco do Brasil (BB) firmou parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) para o repasse das linhas de capital de giro Progeren e Proger Urbano, que conta com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Os agentes do Sebrae ficarão responsáveis por selecionar empresas que precisam de financiamento. “Já foram identificadas 125 mil empresas aptas a tomar empréstimo”, diz Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae.

Segundo ele, um dos fatores que inibem o apetite do mercado em repassar as linhas do BNDES é que, embora o risco das operações fique com as instituições financeiras, o spread cobrado por elas é semelhante ao exigido pelo banco de fomento.

Ao mesmo tempo, o aumento da inadimplência de micro, pequenas e médias empresas – que ficou acima de 6% no ano passado – tornou os bancos mais exigentes. As instituições passaram a pedir garantias, como imóveis e recebíveis, para reduzir o risco das operações de crédito.

No caso do Cartão BNDES, segundo Afif, também pesa o fato de que os bancos preferem trabalhar com seus próprios produtos.

Apesar de o BNDES ter dobrado, para R$ 2 milhões, o limite do cartão, os bancos continuam oferecendo valores mais baixos, alegando que o teto depende do risco do cliente. Nas maiores instituições, com exceção do Santander, o limite oferecido era de R$ 1 milhão. A taxa nesse produto estava em 1,12% ao mês em junho, abaixo da cobrada, por exemplo, nas linhas de capital de giro.

A Caixa informa, por meio de sua assessoria de imprensa, que não houve mudança em relação a regras de concessão de limites. De acordo com o banco, que tem 60 mil contratos de cartões do BNDES, o volume médio desembolsado por mês, em 2017, foi de R$ 70 milhões até maio.

Com o objetivo de destravar os canais de crédito para as empresas, o Sebrae discute com o BNDES a possibilidade de usar as fintechs no repasse do dinheiro. Para isso, o Sebrae poderá usar o fundo de aval (Fampe), que tem saldo de R$ 800 milhões, para garantir a operação, assim como o fundo BNDES FGI também poderá ser usado para complementar as garantias oferecidas pelas empresas.

O Sebrae também cogita oferecer diretamente o cartão BNDES, usando a garantia do fundo de aval para cobrir o risco. “A ideia é ser um agente de distribuição alternativo aos canais tradicionais”, afirma Afif.

Pesquisa feita pelo Sebrae no ano passado mostrou que a maioria dos pequenos negócios se financia fora do sistema bancário: negociam prazo com fornecedores (67%), usam cheque pré-datado (46%) e especial (29%) e cartão de crédito empresarial (28%).

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae