Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

18/05/2017

Recuperação da Oi vai fazer um ano sem sinal de acordo

Por Graziella Valenti e Tatiane Bortolozi | De São Paulo

O processo de recuperação judicial da Oi completa um ano em junho e não há sinal de que a empresa e seus principais credores estejam próximos de encontrar uma solução. Pelos dados atualizados ontem pelo administrador judicial, são R$ 64 bilhões em dívidas com 55 mil credores que aguardam a solução do caso. Trata-se da maior recuperação judicial em andamento no país e, por causa de seu tamanho e complexidade, foi necessário que o juízo da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro prorrogasse por mais 180 dias a proteção da empresa contra execuções por seus credores.

A publicação da lista permite a convocação da assembleia de credores. Sem a lista, não seria possível votar um plano – nem mesmo um sem consenso. Marco Schroeder, presidente da Oi, propõe que a assembleia ocorra até setembro.
Os credores seguem descontentes com o processo. Alegam que não há negociação efetiva, em busca de um acordo, e falta de protagonismo da empresa para conduzir as partes a uma solução célere.

Até o momento, as duas propostas oficiais apresentadas pela Oi foram rechaçadas pelos detentores de dívida internacional, os bondholders, com R$ 32 bilhões em créditos, e pelos grandes bancos comerciais públicos e privados, que têm cerca de R$ 9,5 bilhões a receber da tele.

A demora levou a G5 Evercore, que representa parte importante dos bondholders, a quebrar o silêncio. “É muito frustrante. Queremos não só que a empresa nos receba, mas que sente conosco e fale o que está pensando, o que espera, para que possamos reagir”, disse recentemente Corrado Varoli, presidente e sócio-fundador da G5. “Queremos ser parte da solução. Se a empresa entende que precisa de dinheiro novo, podemos falar sobre isso. Não precisam falar com outras partes, que nem estão envolvidas”, disse, em referência à decisão da Oi de buscar um aumento de capital para ser realizado junto do plano de recuperação judicial.

Os fundos de investimentos Elliott e Cerberus, especializados em ativos de risco, manifestaram interesse na tele, mas ainda não formalizaram suas ofertas. A expectativa de Schroeder é que a perspectiva da assembleia de credores exerça pressão para esquentar as conversas. A Oi afirma que segue em diálogo com interessados e credores.

O drama central é o mesmo que levou ao insucesso, um ano atrás, da tentativa de renegociação privada da dívida. De um lado, os bondholders querem converter seus créditos em parte relevante do capital da tele. De outro, os atuais acionistas querem evitar a diluição de suas participações. Os interesses seguem opostos.

Embora a Oi esteja focada em manter a qualidade dos serviços, desde a tentativa frustrada de fusão com a Portugal Telecom, em 2014, a alta administração dedica-se a um só tema: dívidas. Há anos que o planejamento estratégico de longo prazo deixou de ser o tema central do conselho de administração da tele. O pedido de recuperação judicial foi levado à Justiça em 20 de junho de 2016. Desde então, a receita líquida de clientes sofreu redução de R$ 200 milhões, saindo de pouco mais de R$ 6 bilhões para R$ 5,8 bilhões. A empresa perdeu quase 6 milhões de assinantes de junho de 2016 a março deste ano.

A situação só não se agravou mais porque a companhia aumentou o empenho em ganhos de eficiência e redução de custos, o que permitiu que o caixa aplicado, que estava em R$ 4,1 bilhões ao fim de junho de 2016, alcançasse R$ 7,7 bilhões em março.

Parte da paralisia do processo deve-se, também, à expectativa de ação pelo governo. Foi anunciado oficialmente que sairia do Palácio do Planalto uma medida provisória (MP) para permitir a renegociação da dívida de mais de R$ 11 bilhões com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Além da MP, o governo também colocaria em votação, em regime de urgência, um projeto de lei para facilitar a intervenção da agência na companhia. Ambos os anúncios foram feitos em 27 de abril e, até o momento, nenhuma das duas iniciativas foi concretizada.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae