Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

28/07/2017

Petros tenta evitar novo equacionamento

Por Juliana Schincariol | Do Rio

Mendes, presidente da Petros: expectativa é que o plano de equacionamento do déficit seja implementado em novembro

Ao mesmo tempo em que busca uma gestão mais ativa da carteira de renda fixa da Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, o presidente da entidade, Walter Mendes, coloca em prática medidas para aumentar a liquidez e reduzir a volatilidade do maior e mais problemático plano da entidade, o PPSP, com um patrimônio avaliado em R$ 48 bilhões. É esse o plano que carrega o déficit da Petros, que pode alcançar R$ 27 bilhões no fim do ano.

“A carteira do BD [plano de benefício definido] é muito inflexível, pouco mais de 50% dela é realmente líquida, com títulos públicos e ações de mercado. O restante são ativos com pouca ou baixíssima liquidez como imóveis, FIPs [fundos de investimentos em participações], que não se vendem do dia para a noite”, disse Mendes em entrevista ao Valor.

A estratégia não resolve o déficit, mas pode evitar novo equacionamento nos anos seguintes, afirma Mendes. Segundo ele, a expectativa é que o plano de equacionamento do déficit seja implementado em novembro. Mas ele ainda precisa passar pela Petrobras e a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest).

Em dezembro de 2015, o resultado negativo chegou a R$ 22,6 bilhões, valor que atualizado pela meta atuarial chega a R$ 27 bilhões no fim do ano – a exemplo do que aconteceu em 2016, fatores como a histórica ineficiência de investimentos e compromissos futuros tornam o valor do passivo muito superior ao dos ativos, apesar da rentabilidade de 11,53% naquele ano. “Até o final deste ano isso pode mudar muito e a gente ter um rendimento superior”, disse.

Em 2017, até abril, a Petros tinha um rendimento de 3,45% ante uma meta atuarial para o período de 3,04%. Mas o efeito negativo em maio nos mercados, com a delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, também afetou a fundação. A Petros ainda não divulgou esses números, mas, segundo Mendes, depois de junho também negativo, uma recuperação tem se desenhado em julho.

Essa volatilidade, pelo menos na carteira de títulos públicos do PPSP, Mendes quer evitar. Isso ocorre porque estes ativos têm atualização recorrente de preços, ou seja, são marcados a mercado, o que permite vendê-los a qualquer momento, ao mesmo tempo em que ficam sujeitos às oscilações diárias. Mendes quer marcá-los na “curva”, quando os títulos são contabilizados pelo valor de compra, acrescidos da variação da taxa desde a emissão do papel até o vencimento, de olho na redução da volatilidade. Para isso, os ativos precisam ser carregados até o vencimento.

“É possível fazer, mas precisamos ter um controle do fluxo do passivo muito bem feito. Nós estamos investindo neste trabalho de qualificação do ALM [Asset Liability Management, mecanismo de gestão de ativos e passivos], isso era um problema também”, disse.

Um balanceamento perfeito entre a previsão de saída de recursos e o vencimento dos títulos é necessário para a fundação não correr o risco de não ter caixa disponível no futuro para pagar os benefícios. Fatores como o programa de demissão voluntária da Petrobras e contingências judiciais também devem ser consideradas.

Enquanto no PPSP a fatia dos títulos públicos marcados na curva é praticamente insignificante, ela responde pela maior parte do PP-2. Assim, o plano de contribuição variável não convive com tanta volatilidade. No fim do ano passado, a Petros comprou R$ 4 bilhões em títulos públicos para esse fundo e todos foram marcados “na curva”.

Com a redução das taxas dos títulos públicos, que hoje estão de 20 a 40 pontos-base abaixo da meta atuarial do plano BD – IPCA mais 5,85% -, a Petros começa a trabalhar na gestão mais ativa da carteira de renda fixa. O volume de negociação ainda é incipiente. No primeiro semestre, a fundação girou R$ 390 milhões em títulos públicos diante de uma carteira total de R$ 42 bilhões. Na comparação com a carteira de renda variável, considerando a parcela mais líquida do plano, a Petros negociou R$ 2,2 bilhões no período.

As compras no mercado primário de títulos públicos são feitas diretamente pela fundação e corresponderam a 66% dos negócios no primeiro semestre. No mercado secundário, as operações são distribuídas entre Cetip Trader e dez corretoras escolhidas a partir de critérios de seleção desenvolvidos na gestão de Mendes. Nesse período, a fundação operou com apenas duas corretoras: Renascença, que ficou com 6% das operações, e XP Investimentos, com 5,2% – a Cetip Trader concentrou 22,8% das negociações. “Estamos começando a fazer estas operações, por isso o baixo volume. Também não conseguimos operar com dez corretoras”, disse o gerente-executivo de Operações de Mercado da Petros, Felipe Cosi.

A Petros também busca aumentar a liquidez se desfazendo de ativos como o FIP Florestal, que, junto com a J&F, é dono da Eldorado. “A operação [de venda] está andando (…). É algo que pode trazer liquidez”, disse Mendes. “Estamos tentando negociar da melhor forma possível para que não tenha nenhuma perda em relação à meta atuarial”, acrescentou.

No caso dos imóveis, também há um plano de desinvestimento, mas nenhum negócio ainda foi fechado. Mendes disse que foram assinados 37 acordos de confidencialidade. “Nós vamos vender quando tiver o preço adequado, quando estiver acima do valor de livro e dentro do intervalo das três avaliações necessárias nesse tipo de processo”, disse.

Desde que assumiu, em setembro de 2016, Mendes também buscou aumentar a exposição ao aluguel de ações, que era praticamente inexistente e hoje corresponde a 22% da carteira da Petros, percentual que tende a aumentar, sem revelar valores. O executivo também extinguiu o aquário que separava a mesa de operações do resto da área de investimentos e está em fase final de contratação de plataforma de negociação por meio da qual poderá operar via algoritmos e reduzir o risco de erros.

Enquanto Mendes e a equipe de investimentos colocam as mudanças em prática, a Petros busca um diretor para área. O processo de seleção está sendo tocado pela Heidrick & Strugles, empresa especializada no recrutamento de executivos, e já se encontra em fase de finalização, disse o presidente da Petros. O novo diretor substituirá Maurício Gutemberg, que pediu demissão no fim de maio, seis meses depois de ter assumido o cargo, alegando motivos pessoais, e virá do mercado, garantiu Mendes, excluindo também a possibilidade de que seja alguém da Petrobras.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae