Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

30/08/2017

OI REDUZ CAIXA EM R$ 526 MILHÕES

Por Rodrigo Carro | Do Rio

Schroeder, da Oi: “O resultado do primeiro semestre reflete a sazonalidade no pagamento de taxas à Anatel”

Depois de crescer de forma praticamente ininterrupta até fevereiro, o caixa financeiro das sete empresas da Oi em recuperação judicial iniciou uma trajetória descendente – perdeu R$ 526 milhões nos três meses seguintes. A retração, no entanto, tende a ser revertida no segundo semestre de 2017, sustenta o CEO da companhia, Marco Schroeder.

“O resultado do primeiro semestre reflete a sazonalidade no pagamento de taxas à Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações], que foi de aproximadamente R$ 800 milhões no período”, justificou o executivo, acrescentando que a geração operacional de caixa no período foi positiva (R$ 400 milhões) mas acabou anulada pelas taxas setoriais pagas.

O mais recente relatório do administrador judicial do processo de recuperação da Oi indica que, no fim de maio, o caixa das sete empresas do grupo em recuperação judicial somava R$ 6,85 bilhões. Iniciado em junho do ano passado, o processo de recuperação judicial deu fôlego financeiro à operadora. Entre junho de 2016 e fevereiro deste ano, o caixa financeiro das recuperandas aumentou 76,5%, saltando de R$ 4,18 bilhões para R$ 7,38 bilhões. A trajetória ascendente se inverteu a partir de março e continuou declinante em abril e maio, de acordo com o relatório apresentado à Justiça em 17 de agosto.

“Sem um novo patamar de investimento, a empresa não vai voltar a crescer e ampliar sua receita. O ‘market share’ está caindo nos dois mercados cruciais: banda larga fixa e móvel pós-pago. As outras três grandes operadoras estão aproveitando as incertezas e o momento de vulnerabilidade da empresa para atacar os seus mercados e roubar ‘market share'”, afirma Ricardo Tavares, CEO da consultoria TechPolis.

Os números consolidados da Oi nos seis primeiros meses do ano – incluindo não apenas as empresas em recuperação judicial – também apontam retração no caixa disponível. Em 30 de junho, esse montante era de R$ 7,43 bilhões, o que representa uma queda de 5,32% em relação ao patamar atingido no fim de 2016 (R$ 7,84 bilhões). “A tendência no segundo semestre é de uma recuperação do caixa da companhia”, diz Schroeder.

Fontes de mercado estimam que a geração de caixa da Oi este ano pode ser positiva em R$ 1,5 bilhão, levando-se em consideração premissas como investimentos de R$ 5 bilhões e um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da ordem de R$ 6,5 bilhões. O volume de investimentos realizados nos primeiros seis meses do ano é coerente com a estimativa. Entre janeiro e junho, a Oi investiu R$ 2,5 bilhões, praticamente o mesmo montante desembolsado em igual período de 2016.

Mas, para se manter competitiva no médio e longo prazos, a operadora necessita de uma nova injeção de recursos, destaca Ricardo Tavares, da TechPolis.

“Com os primeiros sinais de recuperação da economia, as demais operadoras voltam a investir enquanto a Oi ainda não tem condições de fazer o mesmo. Não há solução sem um acordo entre acionistas e ‘bondholders’ que recapitalize a empresa”, diz o consultor.

Apesar de manter os investimentos inalterados, a Oi reduziu em 38,4% o volume de recursos destinado para custear serviços de manutenção da rede no primeiro semestre. De acordo com demonstrações financeiras da companhia, o montante caiu de R$ 1 bilhão, nos primeiros seis meses de 2016, para R$ 619 milhões, em igual período deste ano. Na comparação com os mesmos períodos de 2015 e 2014, a diminuição também é expressiva (superior a 30%).

A Oi atribui a queda a uma forte redução no custo de manutenção da rede, a partir de avanços na eficiência operacional e na produtividade. A companhia afirma que houve melhora em seus indicadores de qualidade no período. Um segundo fator que permitiu, de acordo com a empresa, o corte nos custos foi o investimento na melhoria da rede e em ações preventivas. Os investimentos da Oi em ações preventivas aumentaram 93% e a quantidade de reparos caiu 15% no primeiro semestre de 2017 em relação a um ano antes.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae