Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

19/09/2017

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo

“Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar!

Uma pequena sala com dez funcionários no centro de São Paulo abriga a sede da Acordo Certo. A empresa oferece acordos para o refinanciamento de dívidas, de forma semelhante a um escritório de cobrança, mas com uma plataforma totalmente on-line no lugar das centenas de posições de atendentes de telemarketing dos concorrentes tradicionais. Sem dar um único telefonema, intermediou quase 10 mil acordos e espera encerrar o ano com uma base de 1 milhão de CPFs cadastrados.

A cobrança é mais um dos segmentos que passam por uma transformação com a chegada das novas empresas de tecnologia financeira, conhecidas como fintechs. Essas companhias surgiram com a proposta de aproximar devedores pessoas físicas e credores, incluindo bancos e empresas, em vez de simplesmente cobrar as dívidas, valendo-se de expedientes nem sempre amigáveis.

Formada por ex-sócios da corretora Clear, adquirida pela XP Investimentos, a Acordo Certo aposta na tecnologia para conseguir um percentual maior de acordos do que as empresas tradicionais do ramo. “Não basta apenas criar um site”, afirma Dilson de Sá, sócio da empresa.

Sem usar o telefone para ir atrás dos devedores, as fintechs que oferecem o serviço de negociação de dívidas se valem do cruzamento de dados de diversas fontes – o chamado “big data” – para localizar os devedores. A oferta de um acordo pode ser feita por e-mail, SMS ou via anúncios patrocinados em sites como Google e Facebook.

A mensagem também é diferente. Em vez de se colocar do lado credor, as empresas se apresentam como mediadoras, em busca de um acordo que seja benéfico para ambos os lados. As plataformas incentivam ainda o usuário a fazer uma proposta espontaneamente, mesmo se o credor não for cliente da empresa.

Com mais de duas décadas de experiência no setor de varejo, como executivo e consultor, Marc Lahoud se habituou a lidar com problemas relacionados à inadimplência dos clientes. “A recuperação costuma ser difícil e com um nível alto de atrito”, afirma.

A possibilidade de melhorar essa relação em um momento delicado tanto para o credor como para o devedor levou Lahoud a lançar a QueroQuitar!. O objetivo da empresa é funcionar como “mesa de negociação on-line”, a partir do olhar do consumidor, ao contrário da cobrança tradicional. “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema das partes sem entrar em conflito”, diz Lahoud.

As plataformas não cobram nada do cliente que usam o sistema para renegociar suas dívidas. Assim como nas empresas de cobrança tradicionais, a receita das fintechs vem de uma comissão paga pela empresa por acordo fechado. Selecionada pelo inovaBra, programa de inovação patrocinado pelo Bradesco, a QueroQuitar! Possui hoje uma base de 3 milhões de CPFs e tem hoje o banco como um dos clientes.

Em meio a uma crise econômica que levou quase 60 milhões de pessoas a serem negativadas nos birôs de crédito, as plataformas de negociação on-line têm um amplo espaço para crescer. “Um número maior de pessoas está se sentindo confortável para negociar suas dívidas no ambiente digital”, afirma Paulo de Tarso Marques Rosa, sócio e co-fundador da Kitado.

Formado em estatística, Rosa fez carreira no sistema financeiro criando e ajustando os modelos usados pelas instituições financeiras para conceder empréstimos. Posteriormente, virou diretor da área de recuperação de crédito, quando conheceu os canais usados para fazer a cobrança das dívidas. “Percebi que havia uma preocupação grande do banco em como e quando receber o dinheiro, mas não na relação com os clientes”, diz.

A Kitado surgiu alguns anos mais tarde como um canal que permitisse ao devedor escolher o momento e a forma como quer negociar. “Não somos um escritório de cobrança, e sim uma empresa que facilita a negociação das dívidas”, afirma. Criada em 2014, a Kitado promove 40 mil acordos por mês e tem entre os clientes Itaú, Santander e Banco Pan, além de empresas como a ViaVarejo.

Além de ajudar na negociação das dívidas, a plataforma recentemente lançou um novo site (Tudo Kitado), com dicas de como obter uma renda extra baseadas no perfil de cada usuário. A abordagem mais próxima do devedor se reflete nos índices de recuperação e pagamento, ambos maiores do que nas empresas de cobrança tradicionais, segundo o sócio da Kitado.

Para ele, as fintechs devem atuar de forma complementar e não irão substituir os escritórios de cobrança tradicionais. “Nós não alcançamos o devedor que não está disposto a negociar nem aqueles que não têm familiaridade com o meio digital”, afirma. O grande problema histórico dessa indústria, diz, foi tratar todos como se fossem esse público.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae