Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

13/06/2017

No mercado interno, classes A e B elevam desembolsos

Por Cibelle Bouças | De São Paulo

Marcas com coleções mais sofisticadas tendem a se sair melhor à medida que houver recuperação no cenário macroeconômico, aponta consultoria

Após três anos de crise, os brasileiros apresentam um nova disposição para comprar calçados. As classes A e B aumentaram o ritmo de compras neste ano e as marcas com coleções mais sofisticadas tendem a se sair melhor à medida que houver recuperação no cenário macroeconômico.

Um estudo elaborado pela consultoria Iemi Inteligência de Mercado com 1.252 consumidores indicou que, em um período de 12 meses encerrado no primeiro trimestre de 2017, a frequência de desembolsos está em 3,8 compras de calçados em um ano, contra 3,6 compras em 2014.

Já o valor gasto por compra aumentou 12%, para R$ 215,84, ante uma média por compra de R$ 191,87 há três anos. Entre 2014 e o início deste ano, o preço médio dos calçados subiu 10%.

“O que causou aumento no gasto foi principalmente a ampliação das compras por consumidores das classe A e B. Os consumidores das classes C e D ficaram mais fora do mercado nos últimos três anos. O produto que girou mais foi o calçado de preço médio mais alto”, afirma Marcelo Prado, diretor da Iemi Inteligência de Mercado.

Ele observa que a média de compra de consumidores das classes C e D foi de 3 pares nos últimos 12 meses até março, contra 3,4 pares em 2014. Entre as classes A e B, o consumo foi de 4,7 pares até 2017, contra 4,2 pares em 2014.
De acordo com a pesquisa, os consumidores preferem trocar de lojas em busca de descontos a trocar o tipo de calçado. Com isso, as lojas de departamentos passaram a representar 38% das vendas da categoria no país, ante 14% em 2014. As lojas multimarcas reduziram a participação para 38%, ante 62% em 2014. As lojas monomarcas reduziram participação em 7 pontos percentuais, para 18%.

Na avaliação do analista, as empresas que investiram mais em inovações e qualidade podem se sair melhor nesta fase de início de recuperação do consumo.

De acordo com dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas de calçados cresceram 4,7% no primeiro trimestre de 2017. A produção no acumulado de janeiro a abril deste ano cresceu 1,5% em comparação ao mesmo intervalo do ano passado.

No primeiro trimestre, entre as companhias abertas do setor, apenas a Alpargatas registrou queda em vendas no mercado interno, de 32% no volume de sandálias e de 16,8% na receita líquida no Brasil, para R$ 466,1 milhões. A Grendene obteve um crescimento de 13% no volume de vendas do mercado interno, com ganho de 23,6% na receita no Brasil, para R$ 470,7 milhões. A Arezzo elevou em 8,6% o volume de pares vendidos no país, com alta de 15,5% na receita local. A Vulcabras Azaleia teve avanço de 17,7% em receita no trimestre, para R$ 295,9 milhões, e 85% da receita provém de vendas no país.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae