27324_2_L

Unipar: lucro aumenta 143,5% no 2º trimestre, para r$ 25,4 milhões

Por Victor Aguiar | Valor SÃO PAULO – A Unipar Carbocloro encerrou o segundo trimestre deste ano com lucro líquido atribuído aos sócios da controladora de R$ 25,4 milhões, alta […]

AAEAAQAAAAAAAAl2AAAAJDhmMTA3YTU2LTAxNDYtNDJlZC1iMjNjLTJiMDcxZDRiOGNjMw

Profarma sai de lucro para prejuízo de r$ 24,8 milhões no 2º trimestre

Por Valor | Valor SÃO PAULO – A Profarma Distribuidora de Produtos Farmacêuticos registrou prejuízo líquido de R$ 24,8 milhões no segundo trimestre de 2017, invertendo o sinal em relação […]

192d17_ae512cb8f2dd404ca1d470110ec60e66-mv2

Banco Brasil Plural compra comercializadora de energia

Em busca da diversificação das fontes de receita, o grupo Brasil Plural fechou a compra da comercializadora de energia Celer, do Rio, por um valor não divulgado. Criada em 2013 […]

concurso-BB

Resultado financeiro cai e reduz lucro de seguradora

Por Daniela Meibak | De São Paulo José Maurício Coelho, da BB Seguridade: melhora operacional não é suficiente para compensar queda no resultado financeiro A queda da taxa de juros […]

6f100a3ad701b18a4841f6a1841a4280-e1371665525249

Hortifrútis devem seguir sob pressão

Por Cleyton Vilarino | De São Paulo As condições climáticas mais próximas do padrão e um consumo menos intenso devido à perda de poder de compra dos brasileiros devem colaborar […]

size_810_16_9_jbs

Dona da JBS injeta R$ 490 milhões no Banco Original

Por Luiz Henrique Mendes e Carolina Mandl | De São Paulo A J&F Investimentos, holding da família Batista, injetou cerca de R$ 490 milhões no Banco Original em julho. O […]

oi

Afetada por câmbio, Oi tem prejuízo quatro vezes maior

Por Rafael Rosas, Heloisa Magalhães e Rodrigo Carro | Do Rio Em meio ao processo de recuperação judicial e à expectativa de uma operação de aumento de capital, a Oi […]

riachuelo-loja-conceito-na-oscar-freire-02

Com logística nova, lucro da Riachuelo sobe 126,9%

Por Cibelle Bouças | De São Paulo Rocha, da Riachuelo: “Há pouca sobra de coleção e bem menos remarcações” A Guararapes Confecções, dona da varejista de moda Riachuelo, encerrou o […]

img_temp

Paradas podem garantir preços mais altos para celulose

Por Stella Fontes | De São Paulo Após dez meses consecutivos de aumentos de preço, não houve anúncio de reajuste para nenhum dos três mercados internacionais de referência para a […]

1701841

Sócios mudam rede de padarias Benjamin

Por Adriana Mattos | De São Paulo Plano, que pode incluir franquias, prevê abrir 500 unidades no país até 2020, entre pontos de até 120 m2 e quiosques Planejada com […]

29/06/2017

Nestlé já anda na rota traçada por Dan Loeb

1998_5_dl

Por Sarah Gordon | Financial Times

A Nestlé está “empacada em seus velhos costumes”, com uma “cultura imperturbável” e uma “tendência a avanços graduais”. Algumas de suas marcas não fazem sentido. Nem sua participação na L’Oréal. A companhia não será capaz de manter aumentos de dividendos com sua estratégia atual e não é suficientemente lucrativa. Essas são algumas das críticas ao grupo suíço por Dan Loeb, investidor ativista cujo fundo de hedge Third Point assumiu uma participação de US$ 3,5 bilhões na Nestlé. Será que ele tem razão?

O negócio marca a nova investida do Third Point na Europa, onde o ativismo – e Loeb – é menos predominante do que nos Estados Unidos ou no Japão. O Third Point focou sua ira de maneira eficaz no passado, seja contra a Dow Chemical, Yahoo ou Sony.

Mas o caso da Nestlé é diferente. Loeb está embarcando em sua maior aposta até hoje, tendo comprado cerca de 40 milhões de ações (uma participação de 1,3%), e dedicando 15% do seu emblemático fundo para fazê-lo. Não se trata apenas de sua maior aposta, como também é uma posição de antagonismo assumida em relação à maior empresa até hoje.

Loeb fala com admiração sobre a Nestlé. Ele gosta muito de seu portfólio e diz respeitar seu diversificado conselho de administração. Mas quer chacoalhar a empresa. O grupo deveria, diz ele, desfazer-se de marcas com desempenho aquém do desejável, adotar um objetivo formal para, até 2020, ampliar suas margens de lucro operacional de 15% para entre 18% e 20% e assumir mais dívidas para financiar recompras de ações. A participação da empresa na L’Oréal deveria ser revista. Tudo isso poria fim ao baixo retorno ao acionista da companhia.

Muito disso faz sentido. As vendas orgânicas da Nestlé crescem a sua taxa mais lenta há duas décadas. As margens operacionais equivalem à metade das da Kraft Heinz. O balanço patrimonial da Nestlé está subalavancado, com um endividamento líquido sobre o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização bem abaixo de uma vez. A participação na L’Oréal, embora lucrativa, faz pouco sentido estratégico.

No entanto, embora a aposta de Loeb seja radical, nenhuma de suas sugestões são. Os investidores do Third Point devem questionar por que pagam taxas elevadas de administração para aplicar seu dinheiro de uma forma que mal merece o rótulo de ativismo.

Mark Schneider, CEO da Nestlé desde janeiro, já tomou o rumo que Loeb recomenda, e o Third Point não deveria levar crédito por decisões que a diretoria já está contemplando. O anúncio da Nestlé na terça-feira, de que recomprará mais de 20 bilhões de francos suíços (US$ 20,8 bilhões) em ações, parece menos uma resposta às demandas do Third Point do que o próximo passo numa estratégia que Schneider já definiu.

Os gestores da Nestlé já estão focados nas coisas certas, investindo nas áreas que crescem mais rápido – nutrição, bebidas e alimentos para animais de estimação – onde são gerados quase dois terços do lucro operacional do grupo e o retorno sobre o capital investido é saudável. Schneider colocou à venda o negócio de confeitos nos EUA, planeja migrar para alimentos saudáveis e já insinuou que adotará uma meta para os lucros.

Os investidores deveriam ficar cautelosos em face das outras cobranças de Loeb. Ele exagera no baixo desempenho da Nestlé. Como dizem analistas da Bernstein, os retornos totais aos acionistas (TSR, em inglês) e o lucro por ação foram deprimidos por efeitos cambiais. A taxas de câmbio constantes, o TSR da Nestlé na década passada foi 85% maior do que sugere o Third Point.

Em segundo lugar, um dos problemas da Nestlé é que a companhia tem muito dinheiro – não pouco. Alavancar só agravaria a situação. Em terceiro, devolver dinheiro aos acionistas na forma de uma recompra de ações só melhoraria os retornos no curto prazo. Tudo bem quanto aos alvos de margem, mas chegar lá exige mudanças de cultura dentro da Nestlé, uma tarefa muito mais difícil.

Se a intervenção de Loeb ajudará ou prejudicará Schneider nessa tarefa é algo discutível.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae