Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

01/04/2016

Na crise, redes de fast-food cortam preços em até 50%

MARINA GAZZONI FERNANDO SCHELLER – O ESTADO DE S.PAULO / 01 Abril 2016 | 05h 00.
Redução do poder de compra do consumidor faz McDonald’s, Giraffas e Habib’s criarem novas promoções para garantir fluxo de clientes nas lojas
As redes de fast-food estão promovendo uma guerra de preços para segurar os clientes em meio à crise econômica. Mesmo pressionadas pela inflação dos alimentos – que superou 12% em 2015 –, redes como McDonald’s, Giraffas e Habib’s vêm oferecendo descontos adicionais de até 50% para convencer o consumidor de que é possível continuar a comer fora de casa.
No caso do McDonald’s, o diretor de marketing Roberto Gnypek explica que a rede está mais orientada a promoções do que em tempos de bonança. Para o horário do almoço, a empresa diminuiu em quase 50% o valor de certos “combos” – sanduíche, batata frita e refrigerante – em relação aos tradicionais, como a oferta do Big Mac, que sai por R$ 22. Hoje, é possível ter acesso a refeição semelhante, entre 11h e 16h, por R$ 15.
McDonald’s oferece ‘combo’ no almoço 50% mais barato do que ofertas comuns.
Outra empresa que limou preços foi o Habib’s (que também é dono da cadeia Ragazzo). O sanduíche mais barato das duas redes antes custava R$ 6,90. Desde março, esse produto de “entrada” sai por R$ 3,90 (corte de 43,5%). As famosas esfihas e coxinhas da rede, que antes saíam por R$ 1,98, com promoções em certos dias da semana, agora podem ser adquiridas a qualquer hora por R$ 0,99.
“Estamos indo ao limite do preço, da margem”, diz André Marques, diretor de marketing da Habib’s.
A rede Giraffas começou o processo de corte de preços em fevereiro – quando lançou um novo cardápio, com valores 15% mais em conta. A empresa oferece refeições a partir de R$ 10,90 e sanduíches por R$ 7,90. Hoje, a Giraffas vai lançar uma promoção que reduz ainda mais seus preços e sua margem, passando a ofertar desconto adicional de 25% para o cliente que for à loja com um acompanhante.
A estratégia, diz o diretor de marketing da empresa, Ricardo Guerra, é atrair o cliente às praças de alimentação em um momento em que a circulação de consumidores nos shoppings não para de cair. “Se as pessoas param de fazer compras no shopping, elas deixam de comer algo nos restaurantes também”, disse. Com a promoção, a meta do Giraffas é aumentar o volume de vendas em 20%.
Na crise, o executivo do Giraffas diz que as praças de alimentação viraram palco de uma guerra de promoções. Ao oferecer dois itens por um ou condicionar um desconto ao acompanhante, as empresas querem ganhar fluxo. No caso do McDonald’s, segundo Gnypek, essa estratégia passa ainda pela oferta de cupons de desconto, que está mais forte do que nunca na operação brasileira e tem iniciativas nas lojas e também nas redes sociais da marca. “O cupom é uma estratégia válida, desde que auxilie, e não canibalize, a venda por preço cheio.”
Na batalha para reduzir o preço sem dar prejuízo aos franqueados, o Giraffas revisou seus contratos com fornecedores. O bife à parmegiana, por exemplo, que antes chegava “empanado” ao restaurante, passou a ter essa etapa feita na loja. “O custo é menor”, justificou Guerra. No caso do Habib’s, Marques afirma que a estratégia de verticalizar a produção – produzindo da matéria-prima ao material de ponto de venda – dá mais competitividade à companhia.
Todas as empresas dizem estar “ganhando” da economia e evitando andar para trás na recessão. O Habib’s diz que a operação da marca principal está no “zero a zero”, mas que a Ragazzo cresce 5% – é exatamente neste ritmo que o Giraffas espera crescer em 2016. O McDonald’s teve alta de 13,8% no Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) em 2015, embora seu resultado regional tenha sido prejudicado pela alta do dólar (os números da rede na América Latina são fechados na moeda americana).
Procurados pelo Estado, as redes de fast-food Burger King e Bob’s não quiseram dar entrevista. A Subway não respondeu o contato da reportagem.
Comportamento. Para a Abrasel, associação que reúne bares e restaurantes no País, o brasileiro vive um momento em que está trocando suas conquistas de consumo por opções mais baratas. Tanto é assim que, em meio à recessão, o segmento de lanchonetes e padarias cresceu 15% no ano passado. “Muita gente trocou o lanche pelo salgado, que é mais barato”, diz o presidente da associação, Paulo Solmucci.
Mesmo em segmentos de renda mais alta, a troca por opções mais em conta é uma realidade. “Quem ia a restaurante de R$ 60, agora vai ao fast-food”, resume. É justamente de olho neste consumidor que, bem no meio da crise, o McDonald’s lançou uma oferta premium, de R$ 29. “Queremos atrair quem comia hambúrguer gourmet”, diz o diretor de marketing da rede. “Está todo mundo em busca de preço mais baixo.”

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae