Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

20/04/2017

Moinho Globo, do Paraná, dobra sua capacidade

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo

Com investimentos de R$ 100 milhões, o Moinho Globo, um dos maiores do Paraná, concluiu no início do ano a construção de sua segunda unidade de processamento de trigo. Localizada em Sertanópolis, a planta mais que dobra a capacidade de produção da empresa.

Fundado em 1954 no município do norte paranaense, o Moinho Globo encerrou 2016 com receita líquida de R$ 178,9 milhões, 1,4% mais que em 2015, quando as vendas caíram 7%. Com o aumento da capacidade, a expectativa é que o faturamento alcance R$ 250 milhões neste ano e R$ 300 milhões em 2018, segundo Paloma Venturelli, acionista e vice-presidente da companhia.

A nova planta de Sertanópolis, que começou a operar em fevereiro e é voltada principalmente à produção de farinhas “premium”, deve se tornar a principal do grupo. Ainda está funcionando com 70% da capacidade instalada, mas a plena carga pode chegar a 600 toneladas por dia (219 mil toneladas por ano). A fábrica mais antiga, situada no mesmo município, está rodando com 40% da capacidade total, de 450 toneladas por dia (164,2 mil toneladas ao ano).

“O foco é na nova unidade, até pela tecnologia nova”, afirmou a acionista. A planta recém-construída é totalmente automatizada e as máquinas são controladas por um software. E, diferentemente da planta mais antiga, a nova está fora do centro de Sertanópolis, o que facilita a logística de recebimento do trigo e de escoamento de farinha.

A construção começou em 2014, quando o país ainda não estava em recessão. Mas, mesmo após dois anos de deterioração do mercado doméstico, a executiva não se arrepende da decisão. “Iniciamos as obras no momento certo. Foi pouco antes da piora da crise e do aumento da taxa de juros”, disse. Em sua avaliação, embora a perda do poder de consumo ainda esteja se aprofundando no país, a demanda por farinhas não tem sido afetada “intensamente”.

O perfil de atuação do Moinho Globo confere à empresa uma certa blindagem. Do volume de farinha produzida, 60% são destinados ao mercado varejista, que costuma ser o último afetado pela crise, enquanto 40% vão para clientes comerciais – padarias, transformadoras e indústrias alimentícias. Segundo a vice-presidente, o maior sinal de crise percebido pela companhia atualmente é o aumento da inadimplência por parte dessas indústrias.

Dos R$ 100 milhões investidos no novo moinho, R$ 60 milhões foram financiados pelo BNDES. O crédito foi liberado em 2014 com dois anos de carência e prazo de dez anos de pagamento. E o objetivo é continuar investindo nos próximos anos. Nas instalações da nova unidade há espaço para mais máquinas processadoras, o que pode levar a capacidade de moagem da moinho a mil toneladas por dia. A meta é concretizar esse aumento de capacidade em 2019.

Ainda neste ano, o Moinho Globo planeja mais um aporte, de R$ 15 milhões, para aumentar sua capacidade de armazenagem de trigo em grão, atualmente de 31 mil toneladas, para 41 mil. Para tal, a companhia espera mais uma vez receber apoio do BNDES.

Apesar das incertezas macroeconômicas, a vice-presidente da companhia crê que o único fator que pode levar a mudanças na rota planejada é uma eventual nova mudança na tributação do segmento, que recentemente viu a alíquota de ICMS sobre os derivados de trigo subir no Estado.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae