27324_2_L

Unipar: lucro aumenta 143,5% no 2º trimestre, para r$ 25,4 milhões

Por Victor Aguiar | Valor SÃO PAULO – A Unipar Carbocloro encerrou o segundo trimestre deste ano com lucro líquido atribuído aos sócios da controladora de R$ 25,4 milhões, alta […]

AAEAAQAAAAAAAAl2AAAAJDhmMTA3YTU2LTAxNDYtNDJlZC1iMjNjLTJiMDcxZDRiOGNjMw

Profarma sai de lucro para prejuízo de r$ 24,8 milhões no 2º trimestre

Por Valor | Valor SÃO PAULO – A Profarma Distribuidora de Produtos Farmacêuticos registrou prejuízo líquido de R$ 24,8 milhões no segundo trimestre de 2017, invertendo o sinal em relação […]

192d17_ae512cb8f2dd404ca1d470110ec60e66-mv2

Banco Brasil Plural compra comercializadora de energia

Em busca da diversificação das fontes de receita, o grupo Brasil Plural fechou a compra da comercializadora de energia Celer, do Rio, por um valor não divulgado. Criada em 2013 […]

concurso-BB

Resultado financeiro cai e reduz lucro de seguradora

Por Daniela Meibak | De São Paulo José Maurício Coelho, da BB Seguridade: melhora operacional não é suficiente para compensar queda no resultado financeiro A queda da taxa de juros […]

6f100a3ad701b18a4841f6a1841a4280-e1371665525249

Hortifrútis devem seguir sob pressão

Por Cleyton Vilarino | De São Paulo As condições climáticas mais próximas do padrão e um consumo menos intenso devido à perda de poder de compra dos brasileiros devem colaborar […]

size_810_16_9_jbs

Dona da JBS injeta R$ 490 milhões no Banco Original

Por Luiz Henrique Mendes e Carolina Mandl | De São Paulo A J&F Investimentos, holding da família Batista, injetou cerca de R$ 490 milhões no Banco Original em julho. O […]

oi

Afetada por câmbio, Oi tem prejuízo quatro vezes maior

Por Rafael Rosas, Heloisa Magalhães e Rodrigo Carro | Do Rio Em meio ao processo de recuperação judicial e à expectativa de uma operação de aumento de capital, a Oi […]

riachuelo-loja-conceito-na-oscar-freire-02

Com logística nova, lucro da Riachuelo sobe 126,9%

Por Cibelle Bouças | De São Paulo Rocha, da Riachuelo: “Há pouca sobra de coleção e bem menos remarcações” A Guararapes Confecções, dona da varejista de moda Riachuelo, encerrou o […]

img_temp

Paradas podem garantir preços mais altos para celulose

Por Stella Fontes | De São Paulo Após dez meses consecutivos de aumentos de preço, não houve anúncio de reajuste para nenhum dos três mercados internacionais de referência para a […]

1701841

Sócios mudam rede de padarias Benjamin

Por Adriana Mattos | De São Paulo Plano, que pode incluir franquias, prevê abrir 500 unidades no país até 2020, entre pontos de até 120 m2 e quiosques Planejada com […]

03/07/2017

Mercado total de produtos oferecidos porta a porta tem recuo de 2,8%

venda-direta

Por Tatiane Bortolozi | De São Paulo

O volume de negócios no setor de venda direta recuou 2,8% de janeiro a abril de 2017, em comparação a igual período de 2016. Esse canal de distribuição movimentou R$ 13,7 bilhões no quadrimestre, considerando todos os tipos de produtos oferecidos – de cosméticos e roupas a alimentos -, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (Abevd).

“O primeiro quadrimestre ainda sente os impactos do quadro de dificuldade econômica, porém há otimismo porque muitas categorias começaram a explorar o canal recentemente e há uma curva de aprendizado até que atinjam a estabilidade”, diz Roberta Kuruzu, diretora-executiva da Abved. “No médio prazo vemos boas oportunidades e vemos que a crise econômica trouxe um olhar mais criativo para empreender em venda direta, com novos portfólios e novos revendedores.”

A associação refinou sua metodologia de pesquisa, a fim de incluir novos setores, e concluiu que o volume de negócios em 2016 foi 13% superior ao considerado anteriormente. Assim, as vendas diretas movimentaram R$ 45,7 bilhões em 2016, valor R$ 5,3 bilhões superior aos R$ 40,4 bilhões antes apurados.

A nova metodologia apontou melhoras decorrentes da maior contribuição de empresas com atuação em setores diferentes dos tradicionais, como o de cosméticos, de onde boa parte da base de dados era extraída, diz Roberta. Foram entrevistados tanto empresas quanto consumidores.

Diante da percepção das empresas de que o mercado era maior do que o previsto, a associação saiu a campo para aprofundar o conhecimento em novos tipos de serviços e produtos que ganharam representatividade na venda direta recentemente, como vestuário e alimentos. A diversificação de áreas de atuação é um reflexo da diversificação de canais para atender o consumidor de forma mais completa, principalmente em alimentos, diz Roberta.

O novo dimensionamento levou em conta 11 categorias, seguindo a classificação da Federação Mundial de Associações de Vendas Diretas. Cosméticos representam 40,4% do setor no Brasil. Vestuário é o segundo maior (11,8%), seguido por acessórios (10,3%), alimentos (6,6%), cuidados para a casa (6,1%) e utilidades domésticas (4,6%). A metodologia considera ainda a venda de serviços como reforma da casa, produtos financeiros e brinquedos.

O setor conta com 4,3 milhões de revendedores, mesmo número contabilizado na pesquisa anterior. Um revendedor trabalha, em média, com catálogos de produtos de cinco empresas diferentes.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae