Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

08/06/2017

Mercado Livre ‘ressuscita’ frete zero

Por Adriana Mattos | De São Paulo

Tolda, vice-presidente: “Não sou varejista, não tenho problema de rentabilidade. E não é nada irracional ou insustentável”

Num momento em que as maiores empresas de comércio eletrônico têm repetido o discurso a favor da racionalidade e do fim da disputa fratricida por vendas, o Mercado Livre, o maior “marketplace” do país (shopping virtual), decidiu subsidiar o frete grátis no Brasil. É uma mudança de postura num setor que, por anos, buscou retirar esse benefício do cliente para defender rentabilidade.

A companhia fará investimentos de R$ 1 bilhão neste ano, a serem aplicados em despesas discricionárias (não obrigatórias), como marketing e treinamentos – a empresa não revela o valor investido em 2016. A maior parte do montante deste ano deve ser destinada para a estratégia de frete zero. Segundo a empresa, os recursos sairão do caixa da subsidiária, que registrou vendas líquidas de R$ 1,6 bilhão em 2016, alta de 57%.

Ao ser mais competitivo, a intenção é ampliar escala, diz Stelleo Tolda, vice-presidente de operações do Mercado Livre. O investimento de R$ 1 bilhão equivale a pouco mais de duas vezes o lucro líquido do grupo no mundo no ano passado (e a cerca de 75% do caixa da empresa ao fim de 2016).

A nova estratégia começou a ser implementada em maio, com a liberação de frete grátis nas compras acima de R$ 120. Esse limite pode baixar para R$ 80 se o consumidor fizer parte de um novo programa de fidelidade, que permite que pontos somados possam se traduzir em benefícios. Até então, o frete grátis não tinha patamar definido, dependia da decisão de cada vendedor.

Ao “amarrar” o benefício ao programa de fidelidade, a empresa tenta estabelecer alguma contrapartida do consumidor. “Ele tem que fazer com que esse cliente que usa o frete grátis compre sempre. Para gerar a escala que precisa. Isso porque a empresa sabe que, a princípio, terá obviamente vendas maiores, mas com o passar do tempo, isso vai se estabilizar em níveis mais baixos”, diz Roberto Wajnsztok, co-fundador da consultoria Origin5. Como a companhia usa transportadoras terceirizadas, ela deve subsidiar o custo do transporte.

A mudança envolve uma operação percebida como referência no setor. O Mercado Livre passou a ter um tipo de modelo celebrado, discretamente, pelos maiores rivais do negócio. Nos bastidores, grupos como Magazine Luiza e B2W (Americanas.com e Submarino) veem nele um formato mais redondo de marketplace, com aspectos que podem ser copiados, como o oferecimento de uma cesta de serviços aos lojistas que vendem suas mercadorias pelo portal.

No marketplace, o site faz a intermediação da venda entre um lojista e o cliente, e cobra uma comissão por isso. Ainda oferece serviços (como veiculação de propaganda e desconto de recebíveis) para o vendedor hospedado em suas páginas.

O aspecto central é que o Mercado Livre vai na contramão da recorrente pregação das líderes do setor. “Para essas outras empresas, isso [frete grátis] é algo impensável, para nós não”, defende Tolda.

“Nós não somos varejistas, não temos problema de falta de rentabilidade. Temos escala e uma série de serviços que conseguem compensar e absorver um efeito na margem”, diz. “Isso não quer dizer que estamos fazendo algo irracional ou insustentável. É algo feito dentro de um planejamento, já considerando que poderemos ter a margem afetada, mas eu tenho maior capacidade de ir acomodando essa situação”, acrescenta. O Brasil responde por 54% das vendas do grupo, seguido por Argentina (31%) e México (5%).

Questionado sobre o efeito desse subsídio ao frete nos resultados, Tolda diz que pode se “resignar” com uma perda de um ponto de margem, mas que a operação terá que absorver isso, de maneira que não gere prejuízo para a subsidiária – que, diz ele, opera no lucro. O grupo não informa valores. Além da soma de R$ 1 bilhão, ainda há valor de capex da empresa no ano, que tem girado em torno de R$ 100 milhões.

Para o consultor Roberto Wajnsztok, ao retomar o frete grátis, algo que o mercado foi reduzindo nos últimos anos, a empresa deve enfrentar um dilema futuro. “Em algum momento, ela terá que começar a reduzir isso, o que é sempre muito difícil, especialmente depois que o cliente acostuma”. Segundo a empresa, não há prazo de validade para a ação.

Pelo que o Mercado Livre diz, há outra tática por trás da iniciativa: para se ganhar mais dinheiro, o comércio eletrônico no país precisa crescer mais rápido – 96% das vendas no Brasil ainda ocorrem em lojas físicas e só 4% por sites. “O meu maior concorrente hoje é o varejo tradicional. Precisamos trazer novos consumidores para a base”, afirma Tolda.

Dos 182 milhões de usuários do Mercado Livre na América Latina, cerca de 40 milhões são ativos (fazem ao menos uma operação por ano, como compradores ou vendedores).

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae