Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

02/08/2017

Itaú vê retomada do crédito mais lenta com crise política

Por Talita Moreira e Vinícius Pinheiro | De São Paulo

Demanda foi afetada, mas não tão seriamente diante de eventos, diz Bracher

Os “eventos de maio” afetaram a confiança e adiaram o processo de retomada do crédito na economia. A afirmação é do presidente-executivo do Itaú Unibanco, Candido Bracher, em uma referência ao agravamento da crise política com a divulgação da delação premiada dos donos do frigorífico JBS.

“Agora provavelmente a demanda vai ser retomada em um ritmo mais lento no segundo semestre deste ano”, disse Bracher, em teleconferência com analistas sobre os resultados do banco. A expectativa do Itaú é que a carteira de crédito encerre o ano no piso das estimativas feitas pelo banco, que variam entre estabilidade e um crescimento de 4%.

O maior banco privado brasileiro encerrou o primeiro semestre com um saldo de financiamentos de R$ 587,3 bilhões. Sem considerar a variação cambial favorável no período, o volume representou uma queda de 1% em relação a março. Em 12 meses, a retração é de 4,2%.

“A demanda por crédito e serviços bancários foi afetada, mas não tão seriamente dada a intensidade dos eventos”, disse Bracher. Para ele, a relativa estabilidade nos mercados após o nervosismo nos primeiros dias pode ser atribuída à boa percepção e à expectativa de continuidade da equipe econômica.

Com o crédito mais fraco, a margem financeira do Itaú registrou queda de 1% em relação ao segundo trimestre do ano passado. A receita menor, contudo, foi mais do que compensada pelas despesas de provisão baixas e descontos nas operações de financiamento, que diminuíram 29,4% no mesmo período.

A melhora na qualidade da carteira de crédito do banco, que apresentou queda da inadimplência em todas as linhas, ajudou o lucro a aumentar 10,7% no segundo trimestre, para R$ 6,169 bilhões. Os investidores reagiram bem aos números. As ações preferenciais (PN) do Itaú, as mais negociadas, fecharam em alta de 3,20%, a maior entre os grandes bancos listados na bolsa. Para os analistas do Credit Suisse, a manutenção da margem financeira no trimestre em um cenário de queda da taxa básica de juros (Selic) foi um dos destaques do resultado.

A expectativa do banco é de manutenção das margens ao longo deste ano, mas a queda da taxa básica de juros (Selic) deve colocar pressão sobre as receitas caso o crédito não volte. “Se os ativos não crescerem, vai ser difícil aumentar os resultados no próximo ano”, disse Bracher.

Para o presidente do Itaú, ainda não está muito claro quais segmentos podem responder primeiro à recuperação da economia. “A retomada pode vir antes no crédito para pessoas físicas. Os empréstimos corporativos vêm em um segundo momento”, afirmou.

Com o lucro em queda e sem demanda por crédito, o Itaú segue acumulando capital. O índice de capital principal do banco, considerando a aplicação integral das regras de Basileia 3, as aquisições dos negócios de varejo do Citigroup no país e a participação na XP Investimentos, ficaria em 13,5% no segundo trimestre, bem acima do mínimo regulatório.

O Itaú considera alternativas para lidar com o excesso de recursos no balanço, entre elas o aumento de dividendos, mas não contempla novas aquisições no momento. “É claro que consideraria [aquisições] se aparecesse algo muito bom e com boa margem, mas não estamos pensando”, afirmou. (Colaborou Álvaro Campos)

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae