Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

10/07/2017

Indústrias investem R$ 110 milhões em 2016 em reciclagem de pneus

Por Ivone Santana | De São Paulo

Os pneus ganharam fama de vilões no cenário de resíduos sólidos jogados a céu aberto. Mas as indústrias do setor têm trabalhado para combater esse crime ambiental. No ano passado, o setor investiu R$ 110 milhões para recolher e reciclar 457,5 mil toneladas de pneus, equivalentes a 91 milhões de unidades.

“Nós coletamos mais de 100% do que todos os fabricantes de pneus produzem”, diz Klaus Curt, presidente da Reciclanip, o braço de reciclagem da Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip). O índice supera 100% porque são coletados também os pneus importados. No último relatório do Ibama, em 2016, ano-base 2015, os fabricantes cumpriram 101,17% de sua meta de recolhimento, superando-a, enquanto os importadores atingiram 84,72%. A Reciclanip representa 11 empresas multinacionais e de médio porte e se responsabiliza por todo o processo.

No relatório, o Ibama informa que cinco empresas importadoras de pneus novos foram autuadas em 2015, num total de R$ 25 milhões em multas aplicadas. Dois importadores tiveram suas atividades de importação suspensas, por serem reincidentes na infração ambiental de descumprimento da meta de destinação. Além disso, nove empresas destinadoras de pneus inservíveis sofreram vistoria para a averiguação de seus dados declarados.

“Já brigamos muito, apanhamos muito e resolvemos muitos problemas”, diz Curt. “Buscamos sempre atender à meta de recolhimento ligada à produção e colocada pelo Ibama.” Isso significa que se o setor produz 300 mil toneladas de pneus, desconta-se o volume para exportação, 30% de rebarba e o que é enviado para montadora. Não há resíduo, isso só aparece na troca de pneus, diz ele.

O pneu não é valorizado como a lata de alumínio — 92% das latinhas são recicladas —, mas tem havido avanços. A Reciclanip tem trabalhado para que a cadeia de valor funcione sem o subsídio da indústria, que está presente no transporte dos pneus usados. A organização gasta R$ 60 milhões em frete por ano para transportar pneu inservível de mais de mil pontos de coleta no Brasil.

Como o pneu coletado não volta a ser matéria-prima para o mesmo tipo de produto, o transporte o direciona aos pontos onde será transformado. Curt disse que é difícil desvulcanizar a borracha, o aço e o tecido. O processo de desconstrução está em estudo em todo o mundo, pois as indústrias têm interesse em ter essa borracha de volta para virar um novo pneu. Mas não há prazo e cada fabricante se debruça sobre o desenvolvimento de sua própria tecnologia.

Enquanto isso, o pneu passa por um processo industrial, é triturado e granulado. Parte do material vira revestimento para quadras de futebol society e outra parte é transformada em pó para asfalto. Segundo Curt, a Ecovias montou uma usina e começou a produzir esse tipo de asfalto. A pista mais antiga de automóvel com esse material já tem 12 anos sem retificação e foi homologada no início de 2017 para mais seis anos, diz ele.

Empresas do setor criaram a Indap, responsável pela parte comercial da contratação do processo de trituração e da venda do chip — que é o pedaço do pneu triturado que vai para os cimenteiros — e certificação das importadoras. Curt disse que há espaço para melhorar o produto final e reduzir o subsídio.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae