Café-Coffe1

Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

exportações

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

unittrust6

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

size_960_16_9_banco-cruzeiro-do-sul-143

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

dinheiro-emprestado-familiares

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

dividaa

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

bovespa5

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

divida-publica

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne-bovina-ganha-competitividade-em-relação-a-carne-de-frango-em-maio

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

alphaville-1

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

14/09/2017

IBOVESPA RESISTE À REALIZAÇÃO DE LUCROS E SOBE PARA 74.788 PONTOS

Leonidas_Herndl-Ibovesp0001-Marcus_Herndl_Filho

Por Chrystiane Silva e Juliana Machado | De São Paulo

As perspectivas positivas com a retomada do crescimento econômico e a queda dos juros faz com que a bolsa de valores mantenha a trajetória de alta. Ontem, o Ibovespa chegou a ensaiar um movimento de realização de lucros, quando os investidores embolsam os ganhos recentes, mas logo depois voltou a subir e encerrou o pregão com valorização de 0,33% aos 74.788 pontos, sustentado pelas ações da Petrobras e dos bancos.

Segundo operadores, é bastante difícil que a bolsa de valores engate uma trajetória negativa no curto prazo. “Ninguém quer ficar fora da bolsa. Quando os preços caem um pouco, os investidores compram ações e o índice volta a subir”, diz um operador. Segundo Adeodato Volpi Netto, estrategista-chefe da Eleven Financial Research, o fluxo de recursos para a bolsa é positivo e a alta do índice é estrutural. “A queda de juros está materializada e o crescimento da economia continua, portanto, a mudança de alocação dos investidores da renda fixa para a bolsa traz por si só uma entrada de fluxo inercial”, diz. “É hora de comprar Brasil.”

Ontem, os investidores mantiveram um pouco mais de cautela no pregão à espera da votação do Supremo Tribunal Federal (STF). Por unanimidade, 9 a 0, os ministros do STF decidiram que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, continuará à frente dos processos envolvendo o presidente Michel Temer. O temor do mercado era que algum ministro pudesse pedir vistas do processo, o que atrasaria o julgamento. Também havia expectativa em relação ao depoimento do ex-presidente Lula ao juiz federal Sergio Moro, cujo conteúdo só foi divulgado após o encerramento dos negócios no mercado financeiro.

Para Rafael Gonzalez, sócio da Platinum Investimentos, depois de romper máximas, é natural que o Ibovespa perca fôlego com um cenário político ainda arriscado. “Mas ainda temos uma leitura positiva para o índice e o pessimismo ainda não é elevado”, diz. Outra notícia política com capacidade para influenciar o mercado foi divulgada durante a tarde. O PSD (Partido Social Democrático) divulgou que propôs ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que ele seja candidato à Presidência da República. Pelo Twitter, Meirelles negou a pré-candidatura. Operadores consideraram que ainda seria cedo para o anúncio da candidatura, mas Meirelles é um dos candidatos preferidos dos investidores.

Em um dia em que o giro financeiro do Ibovespa ficou em R$ 6,9 bilhões, acima da média diária do ano, que é de R$ 6 bilhões, as ações preferenciais da Petrobras subiram 1,08% e os papéis ordinários ganharam 1,82%, acompanhando a valorização do preço do petróleo no mercado internacional. As ações do sistema financeiro fecharam em alta e a maior valorização foi do papel ordinário do Bradesco, que subiu 0,95%.

A ação que mais caiu foi da Localiza, que recuou 3,25%. Segundo operadores, o HSBC teria reduzido a recomendação para as ações de compra para neutra. “Os investidores estão saindo das posições no setor de locação de veículos. Se discute se o setor vai continuar rentável com a chegada de Uber e outras opções aos clientes”, diz Gonzalez.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae