Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

15/09/2017

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra

Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento

Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende oferecer ao Mercosul uma cota de entrada de 85 mil toneladas anuais de carne bovina com tarifa de importação mais baixa.

O Valor apurou que existe um frenesi entre diplomatas e organizações agrícolas de vários países com a intensificação das negociações internas sobre a oferta agrícola europeia a ser apresentada no começo de outubro a Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Diante de rumores da concessão do volume para a carne bovina do Mercosul, no futuro acordo, o deputado francês Michel Dantin enviou questão formal ao presidente do Conselho Europeu para confirmar a informação.

“Enquanto a troca de ofertas tarifárias nesse estágio é em desfavor dos europeus, a Comissão Europeia estaria no ponto de propor uma concessão tarifária de 85 mil toneladas equivalente carcaça de carne bovina”, diz o documento. Ele questiona sob qual base essa “suposta proposta de concessão” teria sido estabelecida. Argumenta que estudo sobre impacto econômico acumulado de acordos de livre comércio negociados por Bruxelas indica “risco certo de degradação do superavit comercial agrícola para os setores de criação de bovinos europeus em qualquer hipótese de liberalização”.

Nesta sexta-feira, vários países deverão questionar no Comitê de Política Comercial, do Conselho Europeu, a “ameaça existencial” para o setor de carne bovina europeu por causa de acordo com o Mercosul, segundo o site Político. No ano passado, um grupo de 13 países, incluindo França, Polônia, Irlanda, Hungria e Lituânia, conseguiu bloquear uma oferta inicial de 78 mil toneladas, dividida em duas cotas, para Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Indagada pelo Valor, a poderosa central agrícola Copa-Cogeca disse não estar certa sobre qual seria o novo volume de cota para a entrada de carne do Mercosul num futuro acordo birregional. Mas a entidade divulgou ontem novo comunicado detonando a decisão da Comissão Europeia de incluir a carne bovina na barganha final entre os dois blocos.

Jean-Pierre Fleury, presidente do grupo de trabalho “Carne Bovina” da Copa-Cogeca, declara no comunicado que a decisão da Comissão inquieta fortemente, já que o acordo com o Mercosul terá forte impacto no setor bovino europeu. Diz que isso é ainda mais preocupante quando o consumo de carne na Europa caiu 20% em dez anos e que não está claro o impacto do “Brexit” sobre o setor agrícola europeu. Insiste, ainda, que a Europa tem regras estritas de segurança dos alimentos e bem-estar dos animais, e reclama que isso não seria o caso para as importações provenientes do Mercosul. E exemplifica que os europeus registram os movimentos de animais individuais desde seu nascimento até seu abate, enquanto no Mercosul essa rastreabilidade alcançaria apenas 10%.

Fontes da Comissão Europeia minimizam o ambiente pesado de suspeitas. Dizem que as discussões sobre a oferta agrícola estão em andamento e não se pode falar no volume de 85 mil toneladas para a carne bovina do Mercosul nesse momento. Para um alto representante do setor bovino europeu, parece difícil concluir que a nova oferta europeia virá a ser maior do que aquela já rejeitada no ano passado por vários países membros, ainda mais em razão de dois acontecimentos. Primeiro, a decisão do Reino Unido de abandonar a UE. Isso significa que a Irlanda teria que encontrar mercado para mais de 200 mil toneladas de carne bovina nas mesmas condições de antes. Segundo, um estudo sobre impacto econômico acumulado de acordos comerciais, de dezembro do ano passado, apontou o setor de carne bovina teria de enfrentar a concorrência de 356 mil toneladas de carne importada a mais cada ano, sendo o segmento “ultrassensível” em qualquer tentativa de liberalização.

“Existe um frenesi novo, porque muita gente passou a tomar consciência de que a negociação UE-Mercosul poderá realmente ser concluída em dezembro”, diz uma fonte em Bruxelas. Esse ambiente de nervosismo entre protecionistas aumentou com um discurso do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, esta semana, colocando ênfase nessa possibilidade de entendimento entre os dois blocos. Novas rodadas de negociações estão previstas para as próximas semanas. Como o Valor revelou, o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, obteve a garantia dos europeus, em visita a Bruxelas, de que a oferta agrícola europeia incluirá concessões para carne bovina e etanol – tanto mais que, sem esses produtos, não haveria acordo.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae