Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

30/06/2017

BNDES terá de anuir à venda da Eldorado

Por Stella Fontes e Ivo Ribeiro | De São Paulo

A depender dos desdobramentos, as negociações de venda da Eldorado Brasil Celulose podem colocar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em posição de conflito. Na condição de maior credor da companhia dos irmãos Batista, o banco de fomento terá de anuir previamente à operação, seja para a chilena Arauco ou outro grupo.

Outro ponto importante é que o BNDES é também um dos maiores acionistas da Fibria, que opera uma fábrica de celulose no mesmo município da Eldorado (Três Lagoas-MS) e tem interesse explícito na concorrente. Caso a chilena chegue a um acordo com a J&F Investimentos, o banco terá de optar entre dar anuência à operação ou contrariar os interesses da companhia em que é acionista relevante, exercendo controle junto com o grupo Votorantim, que tem 29,4%.

Atualmente, na Fibria – fruto em 2009 de uma fusão de Votorantim Celulose e Papel com a Aracruz -, o banco é dono de 29,08% por meio da BNDESPar.

O Valor apurou que a Fibria tentou sensibilizar o BNDES sobre as desvantagens da entrada dos chilenos na produção brasileira de celulose e incluir o banco em uma possível operação de compra. O BNDES, porém, teria declarado que está “conflitado” e não se envolveu nas negociações.

Procurado, o banco informou que não vai comentar o assunto. Sobre a anuência prévia, informou que “operações de fusão e aquisição envolvendo empresas beneficiárias de crédito requerem anuência prévia do banco”.
“Não é interessante para a Fibria ter, no quintal de casa, um investidor de longo prazo como concorrente”, diz fonte da indústria ao analisar os impactos da potencial compra da Eldorado pela Arauco.

Sem a anuência do BNDES, que não significará veto à operação, os chilenos terão de aceitar novas condições para a dívida da ou quitá-la imediatamente, a exemplo do que aconteceu com a chinesa State Grid no fim de 2010, depois de comprar a Plena Transmissoras. Os chineses não aceitaram os novos termos para a dívida da Plena e decidiram quitar os R$ 1,5 bilhão.

Esse cenário poderia tornar o negócio mais caro para a chilena. Em suas notas explicativas, a Eldorado informa que, no fim do ano passado, empréstimos e financiamentos junto ao banco estatal somavam quase de R$ 3,5 bilhões, da ordem de 40% do total.

Principal fonte de financiamento para projetos de celulose e papel no país, o BNDES é também importante acionista no setor. Além da Fibria, tem participação de 4,5% na Klabin e 6,9% do capital total Suzano Papel e Celulose.
Ontem, em comunicado à CVM, a Fibria informou que não há qualquer tratativa neste momento em relação a eventual sociedade com a Arauco para uma potencial operação de aquisição direta ou indireta da Eldorado. Há três semanas, o Valor publicou que esse era um caminho na reta final do negócio.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae