27324_2_L

Unipar: lucro aumenta 143,5% no 2º trimestre, para r$ 25,4 milhões

Por Victor Aguiar | Valor SÃO PAULO – A Unipar Carbocloro encerrou o segundo trimestre deste ano com lucro líquido atribuído aos sócios da controladora de R$ 25,4 milhões, alta […]

AAEAAQAAAAAAAAl2AAAAJDhmMTA3YTU2LTAxNDYtNDJlZC1iMjNjLTJiMDcxZDRiOGNjMw

Profarma sai de lucro para prejuízo de r$ 24,8 milhões no 2º trimestre

Por Valor | Valor SÃO PAULO – A Profarma Distribuidora de Produtos Farmacêuticos registrou prejuízo líquido de R$ 24,8 milhões no segundo trimestre de 2017, invertendo o sinal em relação […]

192d17_ae512cb8f2dd404ca1d470110ec60e66-mv2

Banco Brasil Plural compra comercializadora de energia

Em busca da diversificação das fontes de receita, o grupo Brasil Plural fechou a compra da comercializadora de energia Celer, do Rio, por um valor não divulgado. Criada em 2013 […]

concurso-BB

Resultado financeiro cai e reduz lucro de seguradora

Por Daniela Meibak | De São Paulo José Maurício Coelho, da BB Seguridade: melhora operacional não é suficiente para compensar queda no resultado financeiro A queda da taxa de juros […]

6f100a3ad701b18a4841f6a1841a4280-e1371665525249

Hortifrútis devem seguir sob pressão

Por Cleyton Vilarino | De São Paulo As condições climáticas mais próximas do padrão e um consumo menos intenso devido à perda de poder de compra dos brasileiros devem colaborar […]

size_810_16_9_jbs

Dona da JBS injeta R$ 490 milhões no Banco Original

Por Luiz Henrique Mendes e Carolina Mandl | De São Paulo A J&F Investimentos, holding da família Batista, injetou cerca de R$ 490 milhões no Banco Original em julho. O […]

oi

Afetada por câmbio, Oi tem prejuízo quatro vezes maior

Por Rafael Rosas, Heloisa Magalhães e Rodrigo Carro | Do Rio Em meio ao processo de recuperação judicial e à expectativa de uma operação de aumento de capital, a Oi […]

riachuelo-loja-conceito-na-oscar-freire-02

Com logística nova, lucro da Riachuelo sobe 126,9%

Por Cibelle Bouças | De São Paulo Rocha, da Riachuelo: “Há pouca sobra de coleção e bem menos remarcações” A Guararapes Confecções, dona da varejista de moda Riachuelo, encerrou o […]

img_temp

Paradas podem garantir preços mais altos para celulose

Por Stella Fontes | De São Paulo Após dez meses consecutivos de aumentos de preço, não houve anúncio de reajuste para nenhum dos três mercados internacionais de referência para a […]

1701841

Sócios mudam rede de padarias Benjamin

Por Adriana Mattos | De São Paulo Plano, que pode incluir franquias, prevê abrir 500 unidades no país até 2020, entre pontos de até 120 m2 e quiosques Planejada com […]

30/06/2017

BNDES terá de anuir à venda da Eldorado

fabrica-celulose-eldorado-brasil

Por Stella Fontes e Ivo Ribeiro | De São Paulo

A depender dos desdobramentos, as negociações de venda da Eldorado Brasil Celulose podem colocar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em posição de conflito. Na condição de maior credor da companhia dos irmãos Batista, o banco de fomento terá de anuir previamente à operação, seja para a chilena Arauco ou outro grupo.

Outro ponto importante é que o BNDES é também um dos maiores acionistas da Fibria, que opera uma fábrica de celulose no mesmo município da Eldorado (Três Lagoas-MS) e tem interesse explícito na concorrente. Caso a chilena chegue a um acordo com a J&F Investimentos, o banco terá de optar entre dar anuência à operação ou contrariar os interesses da companhia em que é acionista relevante, exercendo controle junto com o grupo Votorantim, que tem 29,4%.

Atualmente, na Fibria – fruto em 2009 de uma fusão de Votorantim Celulose e Papel com a Aracruz -, o banco é dono de 29,08% por meio da BNDESPar.

O Valor apurou que a Fibria tentou sensibilizar o BNDES sobre as desvantagens da entrada dos chilenos na produção brasileira de celulose e incluir o banco em uma possível operação de compra. O BNDES, porém, teria declarado que está “conflitado” e não se envolveu nas negociações.

Procurado, o banco informou que não vai comentar o assunto. Sobre a anuência prévia, informou que “operações de fusão e aquisição envolvendo empresas beneficiárias de crédito requerem anuência prévia do banco”.
“Não é interessante para a Fibria ter, no quintal de casa, um investidor de longo prazo como concorrente”, diz fonte da indústria ao analisar os impactos da potencial compra da Eldorado pela Arauco.

Sem a anuência do BNDES, que não significará veto à operação, os chilenos terão de aceitar novas condições para a dívida da ou quitá-la imediatamente, a exemplo do que aconteceu com a chinesa State Grid no fim de 2010, depois de comprar a Plena Transmissoras. Os chineses não aceitaram os novos termos para a dívida da Plena e decidiram quitar os R$ 1,5 bilhão.

Esse cenário poderia tornar o negócio mais caro para a chilena. Em suas notas explicativas, a Eldorado informa que, no fim do ano passado, empréstimos e financiamentos junto ao banco estatal somavam quase de R$ 3,5 bilhões, da ordem de 40% do total.

Principal fonte de financiamento para projetos de celulose e papel no país, o BNDES é também importante acionista no setor. Além da Fibria, tem participação de 4,5% na Klabin e 6,9% do capital total Suzano Papel e Celulose.
Ontem, em comunicado à CVM, a Fibria informou que não há qualquer tratativa neste momento em relação a eventual sociedade com a Arauco para uma potencial operação de aquisição direta ou indireta da Eldorado. Há três semanas, o Valor publicou que esse era um caminho na reta final do negócio.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae