Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

20/03/2017

BNDES refuta críticas e tenta salvar concessões

Por Francisco Góes e Cristiano Romero | Do Rio

Os acordos de leniência fechados com o Ministério Público Federal (MPF) pelas empresas da Lava-Jato são fundamentais para que essas companhias voltem a contratar empréstimos com o BNDES, disse ao Valor a presidente do banco, Maria Silvia Bastos Marques. Ela informou que o banco está negociando com o MPF um acordo de cooperação institucional.

“A leniência é condição essencial, mas não suficiente porque precisamos avaliar a questão de crédito das empresas junto ao BNDES”, explicou. As empresas envolvidas nos desvios de recursos da Petrobras perderam acesso aos recursos do banco e algumas enfrentam dificuldades. Apesar disso, o BNDES não executou as fianças bancárias dos grupos envolvidos, o que, segundo Maria Silvia, comprova a preocupação da instituição com os projetos de concessão. “Se tivéssemos descompromisso com os projetos, as empresas, teríamos executado as fianças.”

A gestão da executiva tem sido criticada pela paralisação dos repasses de recursos às empresas envolvidas em casos de corrupção. Maria Silvia refuta as críticas. Diz que os desembolsos foram suspensos na gestão anterior e que, desde que assumiu o posto, em junho, tem trabalhado para corrigir falhas nas operações do banco e achar soluções para os projetos afetados pela Lava-Jato. Ela sustenta que a forte recessão explica a baixa demanda pelo crédito do BNDES.

“Lemos cotidianamente que o banco não quer emprestar, que descumpriu compromissos, e nenhuma dessas afirmações é verdadeira”, afirmou a presidente do BNDES. “Esta gestão não interrompeu nenhum pagamento.”
O BNDES, informou Maria Silvia, vai passar a compartilhar garantias com outros bancos que emitirem cartas de fiança para financiamentos de infraestrutura. É uma forma de compensar o fato de o banco ter suspendido a concessão de empréstimo-ponte aos consórcios vencedores dos leilões de concessão.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae