Café-Coffe1

Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

exportações

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

unittrust6

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

size_960_16_9_banco-cruzeiro-do-sul-143

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

dinheiro-emprestado-familiares

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

dividaa

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

bovespa5

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

divida-publica

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne-bovina-ganha-competitividade-em-relação-a-carne-de-frango-em-maio

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

alphaville-1

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

27/09/2017

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

exportações

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. Em evento realizado em São Paulo, ele afirmou, ainda, que cinco frigoríficos de carne termoprocessada que foram embargados preventivamente pelo Ministério da Agricultura poderão voltar a exportar aos EUA.

A medida foi tomada pela Pasta, em junho, com o objetivo de evitar um eventual embargo total das exportações de carne industrializada pelos americanos.

Os EUA embargaram a carne bovina in natura do Brasil, também em junho, alegando problemas sanitários recorrentes no produto brasileiro. O país identificou abcessos na carne brasileira que teriam sido provocados pela vacina contra febre aftosa.

De acordo com Blairo Maggi, desde segunda-feira as cinco plantas que estavam suspensas têm autorização para voltar a enviar carne industrializada aos EUA. Três delas são da Marfrig e estão localizadas em São Gabriel (RS), Promissão (SP) e Paranatinga (MT), uma da JBS, em Campo Grande (MS), e uma da Minerva, em Palmeiras de Goiás (GO).

Procurada, a assessoria da JBS esclareceu que a planta de Campo Grande fornece matéria-prima para industrialização nas unidades de Lins e Andradina, ambas no interior de São Paulo. Outras dez fábricas continuaram habilitadas para fornecimento de matéria-prima para industrialização. Isso permitiu à empresa manter as exportações de carne industrializada pelas unidades de Lins e Andradina.

O fim do embargo às cinco plantas acontece após visita de técnicos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês), realizada na terceira semana deste mês. Eles vistoriaram unidades da JBS, em Lins, e da Marfrig, em Promissão.

Segundo o ministro da Agricultura, os técnicos americanos saíram do país com uma “boa impressão dos processos brasileiros”. Ele disse que mudanças na fiscalização agropecuária afastaram as questões políticas dos problemas decorrentes da Operação Carne Fraca e a polêmica envolvendo a vacinação da febre aftosa nos bovinos.

De acordo com dados da Associação Brasileira Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), em 2016 o Brasil exportou 31,6 mil toneladas de carne bovina processada para os EUA, o que representou um faturamento de US$ 277 mil. O país é o principal destino para a carne processada brasileira, seguido pelo Reino Unido, com 27,2 mil toneladas importadas no ano passado.

Os EUA compraram cerca de 30% de toda a carne processada brasileira vendida ao exterior no ano passado. De janeiro a agosto de 2017, o Brasil enviou aos Estados Unidos 15,8 mil toneladas, redução de 25% ante o mesmo período do ano passado.

As exportações brasileiras de carne bovina in natura aos Estados Unidos somaram apenas 847 toneladas em 2016. Neste ano, as vendas já somaram 13,5 mil toneladas, segundo a Abiec.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae