Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

01/08/2017

Blackstone negocia compra de carteira de imóveis do Banco Popular

Por Michael Stothard, Thomas Hale e Javier Espinoza | Financial Times, de Madri e Londres

O Blackstone está em conversações exclusivas a fim de adquirir uma participação majoritária na carteira imobiliária do Banco Popular. Trata-se de uma coleção de ativos que contribuiu para instaurar o quase colapso do banco espanhol no início deste terceiro trimestre.

O banco informou ontem que tinha recebido várias ofertas pela carteira nos últimos dias, mas que decidira entrar em negociações com a gestora de ativos dos Estados Unidos.

A venda dos ativos está sendo acompanhada de perto devido às suas implicações sobre a fixação de preços de empréstimos de difícil quitação e de ativos imobiliários em toda a Espanha.

O Banco Popular, que teve de amargar € 37 bilhões em ativos considerados tóxicos, enfrentou uma corrida bancária em junho que obrigou as autoridades europeias a declarar que a instituição estaria “falindo ou tendente a falir” e colocá-la em regime de resolução – mecanismo de Comissão Europeia para reestruturar, recapitalizar ou liquidar instituições deficitárias.

O Banco Santander, a maior instituição financeira da zona do euro por valor de mercado, comprou o Popular pela soma simbólica de € 1 e prometeu sanear a instituição e se desvencilhar de seus ativos imobiliários.

Ana Botín, a presidente do conselho de administração do Santander, disse em junho que seu plano para recuperar o Popular inclui vender pelo menos metade de seus ativos imobiliários nos próximos 18 meses. O Popular tem cerca de € 30 bilhões em ativos imobiliários e em empréstimos imobiliários.

O mercado europeu para empréstimos não quitados tem se mostrado pujante nos últimos meses. Bancos americanos, por exemplo, competem entre si para conceder crédito a potenciais compradores de carteiras, e a Espanha está sendo vista como um mercado especialmente atraente, em vista da recuperação econômica em curso no país.

Houve uma onda de negócios relevantes recentes. No início de julho, o UniCredit concluiu a venda de empréstimos à Pimco e à Fortress, enquanto o Bain Capital Credit gastou € 1 bilhão com empréstimos em Portugal e na Espanha.

De acordo com a Deloitte, os fundos captaram US$ 300 bilhões para adquirir as dívidas de difícil recebimento do setor bancário do continente.

O Blackstone já investiu em contratos espanhóis não saldados de crédito imobiliário residencial. Em 2014, adquiriu da CatalunyaCaixa € 6,4 bilhões em dívidas dessa categoria, pelos quais pagou € 3,6 bilhões. Desde então, securitizou uma parcela dos empréstimos que tinham se tornado “re-recebíveis”.

José Antonio Álvarez, executivo-chefe do Santander, disse na sexta-feira que o banco estava avaliando ofertas, mas que não poderia tomar uma decisão sobre a venda dos ativos antes da aprovação definitiva de sua tomada de controle pelas autoridades antitruste europeias.

Ele acrescentou que, desde que comprou sua concorrente de menor porte, o Santander levantou cerca de € 7 bilhões em capital para sanear o balanço do Popular e que recuperou € 6,5 bilhões dos € 20 bilhões em depósitos no Popular sacados durante o primeiro semestre do ano.

Ao divulgar os resultados do segundo trimestre, na semana passada, os efeitos das carteiras de empréstimos e imobiliária do Popular fizeram-se sentir visivelmente sobre o Santander. O Santander disse que sua relação de empréstimos não quitados subiu de 3,74% para 5,37% no período de três meses.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae