Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

18/08/2017

Basf confia em pesquisa para manter mercado

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

Harald Rang, da Basf: críticas ao sistema de regulação de defensivos no Brasil

Num mercado em plena consolidação, com as grandes negociações globais da área de defensivos sendo aprovadas, a alemã Basf mantém a aposta em pesquisa e desenvolvimento para não perder participação de mercado. No ano passado, a companhia ficou com 12% das vendas globais de defensivos, em terceiro lugar no ranking do setor.

“Não estamos sacrificando a nossa inovação. Mesmo quando o mercado não está tão forte”, afirmou Harald Rang, vice-presidente de pesquisa e desenvolvimento de proteção de cultivos da companhia.

Em 2016, os investimentos da alemã em pesquisa e inovação somaram € 489 milhões, o equivalente a cerca de 9% de suas receitas globais com o segmento. Segundo Rang, a média de crescimento anual de investimentos nos últimos dez anos ficou em torno de 3%. “E acredito que deve ser assim este ano”, disse.

Conforme o executivo, os investimentos devem ficar em torno de 9% das vendas no ano. No primeiro semestre de 2017, as vendas do segmento agrícola da Basf somaram € 3,4 bilhões, alta de 4% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado.

De acordo com a consultoria Phillips McDougall, a Basf é a empresa do setor que mais investiu entre 2006 e 2015 em pesquisa em relação à receita no período. A companhia investiu US$ 7,3 bilhões, cerca de 13% da receita obtida, enquanto a Monsanto investiu US$ 12,7 bilhões, em torno de 10,5% do faturamento obtido entre os anos de 2006 e 2015.

No Brasil, a Basf tem trabalhado em novos produtos na área de inseticidas e fungicidas, segundo Rang. No ano passado, a receita na América do Sul caiu € 57 milhões, para € 1,261 bilhão, devido ao menor volume de inseticidas vendido no país, conforme balanço divulgado pela companhia. Além dos estoques elevados no canal de distribuição, houve queda de consumo na região, decorrente, sobretudo, da baixa necessidade de produtos na safra 2015/16. Globalmente, a receita da Basf somou € 5,569 milhões, retração de 4%.

A empresa alemã também deve trazer para o Brasil o dicamba, princípio ativo de um herbicida criado pela Monsanto, comercializado também por outras empresas de defensivos. O produto é usado como opção ao glifosato, o mais utilizado do mundo. Hoje, o dicamba está proibido em alguns Estados americanos, sob a alegação de que mata ervas daninhas, mas também prejudica a soja convencional.

“Acreditamos que os problemas reportados estão vindo de um uso incorreto”, disse o executivo. De qualquer maneira, ainda deve levar alguns anos para as vendas do dicamba serem autorizadas no Brasil. Rang afirma que a morosidade regulatória no país ainda é o principal problema enfrentado pela indústria. “Leva mais tempo que em qualquer país-chave no mundo”, disse.

Sem dar detalhes, Harald Rang disse que os novos investimentos da empresa devem ser direcionados a áreas com menor participação de mercado: sementes e soluções digitais.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae