Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

21/06/2017

Bancos discutem mais crédito para pequenas empresas

Por Rodrigo Carro e Robson Sales | Do Rio

O presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, informou ontem que está negociando com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e outras instituições financeiras a criação de uma linha de financiamento voltada para micro, pequenas e médias empresas. Presente a um evento comemorativo dos 65 anos do BNDES, o executivo defendeu o aumento do crédito destinado às exportações e a projetos de infraestrutura no país.

“A infraestrutura vai ajudar na retomada do crescimento e da produção interna. E a [queda] na taxa de juros acaba sendo consequência disso”, afirmou Caffarelli, para quem a retomada deverá ocorrer ainda no segundo semestre deste ano.

Na visão dele, o aumento da inadimplência provocado pela recessão no país assustou as instituições financeiras. Com a melhoria das condições econômicas, o presidente do Banco do Brasil acredita que “é preciso separar o joio do trigo”, retomando a capacidade do setor bancário de conceder crédito. “Concomitantemente ao crédito, temos de estimular exportações”, disse.

No caso da linha de crédito em discussão com o BNDES – voltada para micro, pequenas e médias empresas – tanto as condições de financiamento como o montante que estará disponível ainda não foram definidos, segundo Caffarelli. “Provavelmente será uma linha do BNDES que vai ser aplicada pelos bancos que tiverem interesse em aplicar esta linha”, afirmou.

Questionado sobre o fato de já existirem linhas de financiamento voltadas para o segmento de empresas de pequeno e médio porte, o executivo argumentou que os esforços são no sentido de tornar esse tipo de crédito mais atrativo.
A ampliação de linhas de financiamento também foi um tema destacado pelo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, que frisou que o banco não planeja um “pacote de bondades”. Sugeriu, porém, que vai aumentar a atuação da instituição de fomento na economia do país.

“Este governo e o Brasil estão para além da era de pacote, aqui ninguém está empacotando nada, porque não somos mercearia, muito menos bondade. Queremos desobstruir o que está travado e o que o país, em nome de 14 milhões de desempregados, precisa destravar”, afirmou Rabello de Castro.

Bem-humorado, o economista negou a devolução de cerca de R$ 300 bilhões que o BNDES ainda estaria devendo ao Tesouro Nacional. Disse que o banco iria usar esse montante e que talvez ainda precisasse de mais recursos.
O discurso foi bem recebido pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, que reforçou a necessidade imediata de crédito para a retomada do crescimento. Skaf não citou a administração da presidente anterior do banco, Maria Silvia Bastos Marques, que deixou o BNDES sob críticas de dificultar a concessão de empréstimos, mas disse que nos últimos meses a direção do BNDES estava “gerando e entesourando caixa”.

“Voltar ao crescimento não é uma prioridade? Tirar essas empresas do sufoco não é uma prioridade?”, questionou o empresário. “Tem que haver uma reação forte do BNDES”, pediu o presidente da Fiesp.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae