Consumo de café deve crescer 3,5% este ano, estima Abic

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo Herszkowicz: colheita em 2018/19 não deve ser tão grande quanto se esperava O consumo de café no Brasil pode crescer 3% […]

Blairo já vê fim de embargo dos EUA à carne in natura

Por Kauanna Navarro | De São Paulo O embargo à carne bovina in natura brasileira pelos Estados Unidos chegará ao fim em outubro, informou ontem Blairo Maggi, ministro da Agricultura. […]

CRESCE CAPTAÇÃO DE FUNDOS DE AÇÕES DO BRASIL, APONTA EPFR

Por Eduardo Campos | De Brasília Os fundos de ações e dívida com foco nos mercados emergentes completaram a quinta semana consecutiva de captação de recursos no período encerrado dia […]

INABILITAÇÃO DE EXECUTIVO DO CRUZEIRO DO SUL É MANTIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, manteve a pena de inabilitação de Luis Felippe Índio da Costa e Luis […]

PESSOAS FÍSICAS COMEÇAM A PUXAR VOLTA GRADUAL DOS EMPRÉSTIMOS

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo Marcelo Kopel, do Itaú Unibanco: começamos a ver uma melhora na demanda A retomada do crédito já começou. E, embora tenha engatado apenas […]

NOVAS EMPRESAS QUEREM MUDAR COBRANÇA DE DÍVIDA

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo “Não falamos em cobrança nem em negativação, queremos resolver o problema sem conflito”, diz Lahoud, da QueroQuitar! Uma pequena sala com dez funcionários […]

ÍNDICES FINANCEIROS POSITIVOS ANTECIPAM REAÇÃO ECONÔMICA

Por Arícia Martins | De São Paulo Uma espécie de círculo virtuoso começa a se desenhar no mercado financeiro, apesar da crise política que ganhou novos contornos a partir da […]

BIS FAZ ALERTA PARA “DÍVIDA GLOBAL OCULTA” DE ATÉ US$ 14 TRILHÕES

Por Assis Moreira | De Genebra Claudio Borio, chefe do Departamento Monetário e Econômico do BIS: ausência de inflação intriga e eleva tomada de risco O Banco de Compensações Internacionais […]

Carne bovina atiça protecionismo europeu

Por Assis Moreira | De Genebra Juncker, presidente da Comissão Europeia: em busca de entendimento Setores protecionistas da Europa estão alarmados diante de indicações de que a União Europeia pretende […]

GRUPO FLEURY VOLTA A FAZER AQUISIÇÕES

Por Beth Koike | De São Paulo Carlos Marinelli, do Fleury: “Nossa última aquisição foi em 2011 com o Lab’s” Após seis anos sem fechar aquisições, o Fleury volta às […]

28/06/2017

Alpargatas e Vigor estão presas a garantias bancárias

Por Graziella Valenti, Carolina Mandl e Vanessa Adachi | De São Paulo

Dona das Havaianas vale R$ 6,2 bilhões na bolsa e fatia dos irmãos Batista pode ser vendida por mais de R$ 3,5 bilhões

A venda das companhias Alpargatas, dona da marca Havaianas, e Vigor, de produtos lácteos, precisa passar pelo crivo dos bancos Bradesco e da Caixa Econômica Federal, que possuem as ações dessas empresas em garantia a empréstimos dados à J&F, holding controladora do frigorífico JBS.

O Valor apurou que esses contratos de financiamentos preveem que, em caso de alienação das companhias, há o vencimento antecipado do compromisso. Por isso, a J&F precisa pagar os financiamentos ao vender Alpargatas e Vigor ou renegociá-los.

A expectativa é que ambos os negócios sejam concluídos em agosto – além da venda Eldorado, segundo pessoa a par do tema.

As ações da Vigor foram usadas como cobertura para o financiamento da compra da Alpargatas. O negócio foi fechado em dezembro de 2015, por R$ 2,614 bilhões – pagos à vista à Camargo Corrêa.
Num modelo bastante incomum no mercado, a Caixa abriu uma linha de crédito à J&F para 100% do desembolso e deu sete anos de prazo para pagamento dos recursos, sendo dois anos de carência. Como garantia ao financiamento, a Caixa ficou com ações da companhia de lácteos.

Após fechar a compra do controle, a J&F teve de lançar uma oferta pelas ações ordinárias da Alpargatas dispersas na bolsa, conforme determina a Lei das Sociedades por Ações, por 80% do preço por papel do controle.
A oferta aos minoritários ocorreu em setembro do ano passado e consumiu mais R$ 499,5 milhões. Para esse pagamento, a J&F buscou uma linha de crédito no Bradesco e, para sua obtenção, concedeu o controle da empresa como garantia. Considerando os papéis adquiridos na bolsa, a Alpargatas custou R$ 3,1 bilhões à holding dos irmãos Batista, mais juros.

A venda da Alpargatas está sendo negociada com o fundo de participações Cambuhy, que conta com recursos da família Moreira Salles. As conversas, que começaram há cerca de 20 dias, estão protegidas por um acordo de exclusividade. A aquisição é avaliada em parceria com a Itaúsa, holding da família controladora do Itaú.
Já a Vigor é alvo de um processo de venda competitivo, com ao menos três interessados, conduzido pelo Santander e pelo Bradesco. O valor do ativo é estimado entre R$ 5 bilhões e R$ 6 bilhões.

Bradesco e Caixa devem ser imediatamente beneficiados pela venda de ativos da holding, mas o processo é positivo para outros credores, já que reduz a alavancagem do grupo em seu total. Hoje, as discussões da J&F com credores têm girado em torno da concessão de mais prazo para o pagamento das dívidas, não de descontos.

No caso da Alpargatas, mesmo sem iniciar um processo formal de venda, a J&F foi procurada por diversos fundos interessados na transação. Uma gestora brasileira tradicional chegou a levar sua proposta, disposta a desembolsar o mesmo que foi gasto na compra. Mas a J&F não quis conversar nessas bases.

Segundos fontes que conhecem a transação, o contrato de exclusividade com a Cambuhy só foi possível dada a disposição de pagamento de prêmio e a perspectiva de um acordo rápido. A aposta é que o fundo possa colocar um adicional de aproximadamente 20% sobre o preço do ano passado, o que faria o controle da Alpargatas não sair por menos de R$ 3,6 bilhões (a J&F também tem ações preferenciais).

Essa não é a primeira vez que a Cambuhy mira a Alpargatas. Quando a Camargo Corrêa colocou a empresa à venda, em 2015, o fundo esteve entre os interessados, numa espécie de consórcio que tinha também a gestora Gávea, de Armínio Fraga, e da gigante de participações americana KKR. A Gávea, contudo, não está nessa nova empreitada.
Na B3, a Alpargatas está avaliada em R$ 6,2 bilhões. O valor reflete a expectativa de venda do controle. A preço de mercado, considerado salgado por diversos fundos que estudaram a compra, os 54% detidos pela J&F valem pouco menos de R$ 3,4 bilhões.

Quem também considerou a operação foi a companhia têxtil e de varejo Hering, que na bolsa vale R$ 3,1 bilhões. Mas o plano não chegou a virar uma proposta.

Num esforço para reduzir a pressão dos credores, além da Alpargatas e da Vigor, a J&F negocia a venda da fabricante de celulose Eldorado Brasil, cujas ações foram também dadas em garantia ao BNDES. Diferentemente dos casos de Caixa e Bradesco, a dívida foi tomada diretamente pela Eldorado. Mesmo assim, consultado, o BNDES disse que “operações de fusão e aquisição envolvendo empresas beneficiárias de crédito requerem anuência prévia do banco”.

A J&F afirmou, por meio de uma nota, que “tem mantido discussões produtivas e construtivas” com os bancos.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Marcus Herndl Filho, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@marcusherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Marcus Herndl

Goodae